Em SP, Obras de terminais e corredores de ônibus começam em setembro

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

O início das obras dos terminais do Jardim Zaíra, Itapeva e Itapark e do corredor de ônibus na Avenida Itapark, em Mauá, está previsto para setembro. A expectativa é de que os trabalhos, que serão executados pela empresa Oestevalle Pavimentações e Construções Ltda, durem 18 meses e demandem R$ 33 milhões em investimento oriundo do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), do governo federal.

Conforme o secretário de Mobilidade Urbana Azor Albuquerque, a previsão é a de que o contrato com a empresa seja assinado na próxima semana. Todas as obras vão começar simultaneamente, segundo ele. “Apesar de ser o maior terminal, a obra do Itapark provavelmente vai ser a mais rápida, porque será iniciada onde hoje é um estacionamento. Já no Zaíra e no Itapeva, os antigos terminais serão praticamente demolidos e reconstruídos. De qualquer forma, pretendemos entregar tudo à população no fim de 2017 ou início de 2018.”

Atualmente, a cidade tem uma média de 120 mil usuários no transporte coletivo por dia. Conforme Albuquerque, desse total, 40% passam pelo eixo Barão de Mauá e utilizam o Terminal Itapeva e 30% passam pela Castelo Branco e utilizam o Zaíra. A estimativa é a de que 80% dos usuários sejam beneficiados.

Segundo o secretário, um dos principais objetivos é desafogar o Centro, que concentra grande fluxo de passageiros. “Temos estudos que mostram que no Centro, onde estão as estações da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e o Terminal Central, também está a maior concentração de pessoas. Com as estações de bairro você diminui esse fluxo. Por exemplo, nós teremos linhas diretamente desses terminais para a estação do Guapituba”, diz.

O corredor de ônibus vai contar com aproximadamente 12 quilômetros de extensão, desde o cruzamento com a Avenida Rio Branco até o fim da Itapark, finalizando no novo terminal. Esta é a primeira parte do projeto de Mobilidade Urbana, que vai ter uma segunda fase divulgada em breve. No total o investimento é de R$ 79,5 milhões.

O prefeito Donisete Braga (PT) destacou que nos próximos passos vão estar incluídos investimentos na outra parte da cidade. “É muito importante que nós possamos atender o eixo Vila Mercedes e o Parque São Vicente. Achamos importante um terminal lá naquela parte, já que as pessoas que utilizam o transporte coletivo acabam atravessando toda a cidade. A geografia de Mauá tem essa irregularidade e é nosso dever oferecer alternativas e meios para a mobilidade e transferência dos passageiros”, explica.

Prefeitura vai contratar empresa para informar rotas alternativas

A Secretaria de Mobilidade Urbana estima que a realização das obras, durante os 18 meses previstos, traga grandes impactos para os usuários do transporte público. Por isso, já está em processo licitatório a contratação de empresa que forneça funcionários para informar os munícipes sobre as alternativas durante esse tempo. O valor do contrato é de R$ 3 milhões.

Estamos finalizando essa parte, que chamamos de técnico-social. São pessoas qualificadas para conversar com os cidadãos e explicar as modificações durante esse tempo. É um cuidado para que a população fique bem informada”, disse o secretário Azor Albuquerque.

Para estimar quais as mudanças necessárias nos bairros, a Pasta montou um grupo de trabalho. Os profissionais estão estudando o projeto e as linhas de ônibus para informar as alterações. “Estão sendo analisadas as vias paralelas, as linhas que irão direto para o bairro e outras questões. Na semana que vem teremos essas alternativas”, promete. 

Por Yara Ferraz

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960