Ônibus, metrô e trem podem parar em São Paulo

segunda-feira, 18 de maio de 2015

No dia 14, em assembleia, os metroviários decidiram decretar Estado de Greve em São Paulo - para esta quarta está marcada nova assembleia, que deve determinar paralisação geral. Junto dos metroviários, os funcionários da CPTM também já estão em Estado de Greve. E não é só: o caos no transporte pode agravar ainda mais depois dos motoristas e cobradores da cidade rejeitaram a proposta das empresas de 8,5% de aumento salarial.

A orelha do governador Geraldo Alckmin e do prefeito Fernando Haddad já devem estar até vermelhas. Ambos tiveram um primeiro semestre agitado: o tucano enfrenta até hoje uma forte greve dos professores da rede estadual de ensino, que já dura mais de 60 dias. E ainda tem outros problemas para lidar: o aumento dos casos de dengue no ano e a grave situação da seca no estado. Já o petista Haddad parece ter a vida um pouco mais fácil - parece. Recentemente, após ação violenta coordenada pela prefeitura na Cracolândia, a popularidade do prefeito com a base de esquerda e setores mais pobres se agrava cada vez mais. 

E tudo ainda pode piorar. Você já imaginou uma cidade completamente parada, sem serviços de transporte público? 

Isso pode acontecer nos próximos dias em São Paulo. Os metroviários e os ferroviários decretaram na semana passada o Estado de Greve em ambas as categorias, e tudo leva a crer que até quarta-feira esteja determinada uma data para paralisação geral dos serviços. Os ferroviários pedem um reajuste salarial de 7,89%, mais 10% de aumento real. Além disso, querem uma garantia de pagamento mínimo de R$5 mil de PLR (participação nos lucros e resultados) este ano, além de vale-refeição no valor de R$840, vale-alimentação de R$400 e auxílio materno-infantil de R$500.

Segundo o presidente do Sindicato dos Ferroviários de São Paulo, Eluiz Alves de Matos, “após várias rodadas de negociações, a CPTM informou que não poderia oferecer mais do que 6,65% de reajuste salarial, com reflexos às demais cláusulas econômicas, e zero de aumento real”. “A proposta da CPTM,  além de desrespeitosa,  é vergonhosa porque não atende aos anseios da categoria. O Sindicato dos Ferroviários sempre deu chances e priorizou as negociações. Mas de que adianta essa nossa atitude, de que adianta tanta dedicação e esforço por parte dos trabalhadores, se ao final não recebem reconhecimento?”, atacou o sindicalista.

Já os metroviários pedem um aumento de 17% no salário, além da reintegração dos demitidos na greve do ano passado - já a empresa oferece apenas o aumento de 7,21%. Uma nova assembleia da categoria está marcada para o dia 20 - e segundo informações conseguidas pelo Guerrilha, a possibilidade de tanto os metroviários como os ferroviários aprovarem a paralisação é muito grande.

Os rodoviários completam a crise: os trabalhadores pediram um aumento de 15,5% no salário, sendo 8% referentes a correlação inflacionária e 7,5% de aumento real - na semana passada, eles rejeitaram a proposta das empresas de apenas 8,5% de reajuste.

Ano passado, tanto os metroviários como os rodoviáriosparalisaram a cidade por vários dias - porém não ao mesmo tempo. Tratou-se de uma guinada, em especial pelos motoristas e cobradores de ônibus, totalmente independente - contrariando a decisão dos sindicalistas de acabar com a greve, os rodoviários mantiveram a paralisação. Já os metroviários foram brutalmente reprimidos e perseguidos pelo governo do estado, em um dos episódios mais trágicos da história de luta da categoria. 

O ingrediente que falta no bolo: a paralisação geral do dia 29 de maio, marcada por diversas frentes sindicalistas, partidárias e de movimentos sociais. Além de grandes manifestações marcadas para o dia, a possibilidade real de vários trabalhadores de diversos setores cruzarem os braços é forte. A paralisação geral é uma resposta dos trabalhadores contra o ajuste fiscal de Dilma Rousseff e também contra o projeto de terceirização que foi recentemente aprovado no Congresso.

Informações: guerrilhagrr.com.br

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960