No Rio, BRT Transoeste cheio de remendos aumentam risco de acidentes

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Lombadas, rampas, quebra-molas, limitadores de velocidade ou operações tapa-buracos mal feitas? Motoristas do BRT Transoeste observaram uma multiplicação de calombos no corredor nas últimas semanas e alertam que o desconforto das viagens é o de menos. Para eles, mais grave é o risco de acidentes.

Na Alvorada — na descida paralela à Avenida das Américas —, um remendo executado pela Secretaria Municipal de Conservação criou lombadas onde o BRT precisa frear para entrar no terminal. Segundo os condutores, além de provocar avarias nos ônibus, os desníveis no asfalto prejudicam a frenagem.

“Quando o ônibus salta na lombada, perde a aderência para parar e, ao aterrissar com todo aquele peso, sua velocidade aumenta em vez de diminuir”, explicou um motorista, que preferiu não se identificar.

Os condutores dizem que o pior trecho, de três quilômetros, fica entre as estações Magarça e Mato Alto, no sentido Alvorada. “Entre as duas pontes dos rios Piraquê e Valão das Cinzas, até chegar ao Mato Alto, temos que andar a menos de 40 km/h. Quem corre coloca em risco as peças do BRT”, relata um deles.

O motorista contou que dois bolsões de ar (tipo de suspensão) de um ônibus estouraram quando o veículo bateu com força em uma uma lombada feita na semana passada no Túnel da Grota Funda.

“Na terça feira, a equipe da Secretaria de Conservação voltou lá e ainda colocou mais uma camada de asfalto.” Há ainda lombadas nas proximidades do Américas Shopping e das estações Embrapa e Mato Alto.

“A pista tem que ser o mais livre possível para que a segurança seja máxima”, diz Luis Antônio Lindau, especialista em BRT da Embarq Brasil.

A Secretaria de Conservação afirmou que vai solicitar vistorias aos técnicos e, caso fiquem comprovados problemas, serão programados serviços pontuais. Afirmou ainda que duas mil toneladas de massa asfáltica devem ser utilizadas até setembro para pavimentar trechos inteiros entre as estações Pingo D’Água e Magarça.

O Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento recomenda pavimentação em concreto (o Transoeste foi feito em asfalto) para reduzir desgaste dos veículos. A secretraria explica que a pista foi feita com um pavimento resistente e adequado para cargas pesadas.

O produto tem muitos benefícios, como por exemplo permitir a rápida liberação da via — fundamental no sistema de BRT para que os ônibus possam continuar operando na pista exclusiva. “Foi uma opção técnica”, diz em nota.

Informações: O Dia Online

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960