Greve de ônibus na Grande Belém afeta mais de um milhão de pessoas

quarta-feira, 6 de maio de 2015

A greve dos rodoviários de Belém, Ananindeua e Marituba, iniciada na meia noite desta quarta-feira (6), afeta 1,2 milhão de pessoas na região metropolitana. Embora o Sindicato dos Rodoviários de Belém afirme que 80% da frota está nas ruas, a população reclama da falta de coletivos e dos preços abusivos cobrados pelas vans do transporte alternativo, que seguem superlotadas e até mesmo de portas abertas. Uma passagem, que custava em torno de R$ 2, nesta quarta chegou a custar R$ 5.

O Sindicato de Ananindeua e Marituba diz que 100% dos rodoviários teriam aderido à greve. As seis empresas de ônibus atendem os municípios com 40 linhas paralisaram. A frota atende cerca de 200 mil passageiros por dia. Até o momento, os rodoviários dizem que não há nenhuma reunião marcada com os empresários para esta quarta-feira.

Reivindicações e propostas
A categoria pede o reajuste salarial de 13%, aumento no valor do tíquete alimentação de R$ 425 para R$ 550, além do pagamento dos adicionais de insalubridade e periculosidade e reajuste na verba de clínica médica de aproximadamente 20%. Outra reivindicação é a redução da jornada de trabalho para 6h.

De acordo com o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belém (Setransbel), a proposta da patronal foi de zerar perdas salariais de acordo com o INPC, que ainda será divulgado. Segundo o Dieese, este aumento seria de 8,5%, sem ganho real. Nos tickets alimentação e nos atendimentos clínicos; este último com verda de R$ 210 mil; a proposta também é de reajuste de 8,5%. O Setransbel afirma ainda que tentou negociar com os rodoviários, mas a proposta não foi aceita, e que os valores pedidos pela categoria estão muito acima da inflação, o que dificulta a possibilidade de negociação.

Protestos
Usuários do transporte público fizeram um protesto na manhã desta quarta-feira (6) e interditaram um trecho da avenida Almirante Barroso, próximo ao conjunto Costa e Silva, no bairro do Souza. A população reclamou da falta de ônibus no primeiro dia de greve dos rodoviários de Belém. Os manifestantes ficaram de mãos dadas na pista e formaram uma barreira humana, impedindo o tráfego de veículos na avenida por cerca de uma hora.

Houve confusão também durante a manhã na BR-316. Os rodoviários em greve impediram os ônibus de seguir viagem. Os ônibus que saíam da garagem da empresa Autoviária Paraense eram impedidos de seguir viagem quando chegavam próximo à entrada de Águas Lindas, na rodovia federal. Os pneus dos veículos eram esvaziados e vidros também foram quebrados.

A BR-316 foi interditada por rodoviários e parte da população no sentido Ananindeua-Belém. Cobradores e motoristas pediam melhores condições de trabalho e os passageiros queriam garantir o direito de ir e vir. O trânsito ficou complicado. A Polícia Militar esteve no local.

Comércio
O Sindicato dos Lojistas do Comércio de Belém (Sindilojas) informou que o movimento caiu muito por conta da greve. Segundo o vice-presidente do Sindilojas, Joy Colares, primeiro porque os funcionários têm dificuldades para chegar até as lojas, o que já dificulta o atendimento aos clientes, e também porque os clientes não têm como chegar até o comércio. "Nesse período então, a situação fica complicada por ser um período em que eles esperam por grandes vendas. Ainda não tem como estimar o prejuízo, mas ele será significativo, deve ser de 10 a 15% do volume de vendas da semana", afirmou.

Informações: G1 PA

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960