Cores diferentes identificam grupos de consórcio de ônibus em Salvador

domingo, 19 de abril de 2015

Os consórcios que venceram a licitação das linhas de ônibus de Salvador passaram a rodar nesta sábado, 18, nas bacias que adquiriram no processo de concessão. As alterações, que vão afetar 160 linhas até segunda, 20, limitam-se às empresas que operam cada itinerário, explica o secretário de Mobilidade da capital baiana, Fábio Mota.
Fernando Vivas | Ag. A TARDE
"A única mudança é na cor do carro, porque cada consórcio vai passar a atuar na sua bacia. Mas o código da linha continua o mesmo, a linha é a mesma, com o mesmo nome e percurso", diz.

A partir de agora, os consórcios têm um ano para realizar a pintura dos ônibus conforme a área de operação (azul para orla e Centro, amarelo no Subúrbio Ferroviário e Península Itapagipana e verde no miolo).

Os ônibus que ainda não estão pintados terão um adesivo colado, indicando o consórcio a que pertencem. São três os grupos que agora operam o transporte da capital: Plataforma (Subúrbio), OT Trans (miolo) e Salvador Norte (orla e Centro).

Atenção
As mudanças vão obrigar os passageiros a prestarem atenção no código e no nome da linha - e não na cor do coletivo, como é comum.

Neste sábado, a equipe de A TARDE circulou pela cidade entrevistando usuários e não identificou dificuldade diante das alterações. Na Lapa e na Estação Iguatemi, agentes estavam de prontidão para tirar dúvidas dos passageiros.

A lista das linhas que mudaram de empresa pode ser encontrada no site www.integrasalvador.com.br.

De acordo com o secretário Fábio Mota, todos os ônibus com mais de quatro anos de uso - ou seja, que rodam antes de 2009 - estão proibidos de operar na cidade, por determinação do contrato de licitação.

Conforme Mota, após a exigência, Salvador passou a ter uma frota com idade média de 3,6 anos. Cerca de 700 novos coletivos chegaram na cidade entre 2014 e 2015, segundo ele. Os outros dois mil que compõe a frota (de 2.700 no total) passaram por vistorias para serem autorizados a operar.

A prefeitura estima que, em cinco anos, todos os ônibus antigos sejam trocados na cidade, por causa da nova idade limite estabelecida.

Por Yuri Silva
Informações: A Tarde Online


0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960