Tarifa de ônibus de Curitiba será reajustada esta semana

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

O prefeito Gustavo Fruet (PDT) deve anunciar na sexta-feira o novo valor da tarifa de ônibus de Curitiba. O preço que será cobrado dos passageiros ainda não está definido, mas a ideia inicial é aplicar apenas a inflação aos atuais salários de cobradores e motoristas (que representam cerca de 50% da tarifa) e repor os custos dos insumos do sistema. Com isso, a passagem deve ficar pouco acima de R$ 3,00. Possivelmente, ficará em R$ 3,05.

A ideia da prefeitura de anunciar a nova tarifa já é conter uma alta maior que poderia ser causada por pressão de dois setores. De um lado, os empresários responsáveis pelos consórcios de transporte coletivo pediram um reajuste da tarifa técnica muito maior, chegando a R$ 3,74. A tarifa técnica, que leva em conta quanto seria necessário cobrar de cada passageiro para não haver necessidade de subsídio, já está em R$ 3,18. No entanto, atualmente, a tarifa cobrada dos passageiros é de R$ 2,85. O restante é coberto por subsídios do governo do estado e da prefeitura.

As empresas são obrigadas por contrato a apresentar anualmente os custos do sistema para cálculo da tarifa técnica. No entanto, é frequente que haja discrepâncias entre as contas da prefeitura e as das empresas. Exemplo é o caso do diesel. A prefeitura cobra o preço da tabela da Agência Nacional de Petróleo (ANP) para Curitiba, mas os empresários pedem o preço da região metropolitana, que é mais alto.

Por outro lado, a prefeitura negocia o reajuste dos salários de motoristas e cobradores, que têm database em fevereiro. O modo de negociação tradicional é esperar a definição dos novos salários e depois aplicar o novo valor à tarifa. Dessa vez, a prefeitura espera fazer o contrário. Aplicar a nova tarifa e esperar que os trabalhadores, entendendo a crise pela qual passa o sistema, limitem seu reajuste à inflação do período, em torno de 7%. No início das negociações deste ano, a categoria pediu 17% de reajuste.

Assim, a ideia é aplicar 7% sobre o salário dos motoristas, computar o aumento do diesel e os demais custos e fechar já a tarifa. Ela só mudaria caso os trabalhadores conseguissem um reajuste maior na Justiça, por exemplo. O restante da diferença entre a tarifa paga e a tarifa técnica seria mantido por subsídio municipal.

Um dos problemas da prefeitura, no momento, é convencer a Comec, que administra as linhas metropolitanas, a fazer o reajuste simultaneamente e para o mesmo valor. Mas não está descartada a hipótese de os anúncios ocorrerem em datas diferentes e de haver dois preços de passagem a partir de agora. Uma reunião sobre isso está ocorrendo nesta manhã de quarta-feira.

Colaboraram Angieli Maros, Fernanda Trisotto e Nayadi Piva.

Informações: Gazeta do Povo

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960