População de Salvador aprova novos ônibus, estranha embarque pela porta dianteira e reclama de aumento na tarifa

domingo, 4 de janeiro de 2015

Os 300 ônibus da nova frota de coletivos de Salvador começaram a circular na manhã ontem. Esperados para rodar já no primeiro dia de 2015, os novos transportes só puderam ser vistos pela população nesta sexta-feira, primeiro dia útil do ano.
Foto: Francisco Galvão
A reportagem foi até as ruas atrás dos coletivos no intuito de verificar as novas instalações, além de saber a opinião dos usuários sobre o que acharam da novidade. Além do conforto dos novos assentos e do sistema de ventilação forçada, o que mais chamou a atenção dos usuários foi a limpeza dos veículos.

Outro ponto positivo é que todos eles têm GPS, o que vai permitir ao cidadão, através de totens instalados nos pontos de ônibus, ou de um aplicativo instalado no celular, saber em que ponto da cidade está o coletivo que ele pretende embarcar.

Os primeiros ônibus puderam ser vistos em alguns locais da cidade como a Avenida Antônio Carlos Magalhães, próximo à Estação Iguatemi, e nas ruas da Cidade Baixa, próximo à Feira de São Joaquim. Na Estação da Lapa, ao contrário da última quinta-feira, quando nenhum ônibus foi encontrado na região, os novos coletivos foram vistos e utilizados pela população.

Vinda da Paralela, a funcionária pública Glady Carrera elogiou os novos ônibus. “Olha, esses são bem melhores aos que estávamos acostumados. Tomara que o mesmo zelo que vemos aqui possa se estender aos ônibus antigos, que estão sujos”, ponderou. 

No entanto, ela acha que, assim que o período das férias acabarem, a população vai ter uma certa dor de cabeça para se acostumar com as novidades. “Hoje é um dia atípico e diferente do que estamos acostumados a ver, essa tranquilidade. Mas, quando a cidade voltar a seu ritmo normal, as pessoas vão ter que ter muita paciência na hora de usar o novo transporte”, disse.

Ela ainda comentou que, por conta da cor, teve dúvidas se o ônibus que pegou era o correto, já que houve, segundo ela, uma certa confusão com outro ônibus de cor parecida, mas que rodava para o Litoral Norte.

Na estação mais movimentada da capital baiana, muitas pessoas ainda tentavam se acostumar às novidades. Uma delas é o local de entrada dos ônibus, que agora é pela frente. No trajeto percorrido pela equipe da Tribuna, no centro da cidade, vimos que, à princípio, teve gente que não gostou muito. “Acho que tinha que ficar do jeito antigo mesmo. Agora pra entrar, virou uma verdadeira bagunça. Os velhinhos ficam na frente e o motorista não pode deixar o ponto sem que todos estejam dentro do ônibus. No final, a gente acaba perdendo é mais tempo”, reclamou a vendedora Vânia Santana.

Para tentar contornar este problema, agentes da Transalvador, além dos próprios cobradores e motoristas, tentavam ajudar os passageiros á se acostumar a nova realidade. “Muitos deles ainda se confundem e querem entrar pela porta de trás dos coletivos. Mas o pessoal aqui tem feito um esforço enorme para facilitar a vida de todos”, disse a funcionária pública. “A gente faz o que pode para ajudar o pessoal. Mas, daqui que o passageiro se acostume vai ser complicado mesmo. Agora está tranquilo. Vamos ver como será mais adiante”, contou o motorista Antônio Brito, que ainda disse ter gostado dos novos coletivos. “São bastante confortáveis e para nós motoristas vai ajudar bastante”.

Dentro dos ônibus, uma segunda novidade. Motorista e cobrador estão mais próximos. Isso, segundo a Prefeitura, é para evitar assaltos e dar mais segurança aos passageiros. No entanto, para quem está do lado de dentro como do lado de fora, houve mais questionamentos. Desta vez, quanto ao número de assentos destinados aos idosos. “Como é que só botam três lugares para os idosos, quando, nos ônibus mais antigos a gente tinha de quatro a oito lugares destinados a eles? Isso é um absurdo!”, criticou um passageiro.

No entanto, a equipe da Tribuna verificou que, após a catraca dos ônibus, mais quatro lugares estavam reservados para idosos, gestantes e deficientes. Em outro coletivo, usuários reclamaram que a corda que aciona o alarme de parada do ônibus não estava funcionando e, com isso, os motoristas não estariam parando nos pontos devidamente. Uma agente da Transalvador que estava no local anotou a queixa e informou que iria repassar a solicitação à empresa responsável.

Tarifa desagrada
Apesar de todas essas novidades na frota, os passageiros questionavam o novo valor cobrado pelas empresas de ônibus, que é de R$ 3 e passou a ser cobrado ontem. “Apesar de serem novos ônibus e oferecerem um conforto relativamente melhor, o valor que nós vamos ter que pagar por eles para utilizar é muito caro. Com certeza isso vai pesar no bolso de muita gente”, comentou o professor de sociologia Bruno Santos, que aguardava os ônibus azuis que vão para a Orla de Salvador.

Segundo informações da Secretaria Municipal de Urbanismo e Transporte (Semut), até o final do mês de janeiro, cerca de 700 ônibus devem estar rodando nas ruas e avenidas da capital baiana. Para tanto, a fim de definir a região de circulação de cada um deles, a cidade foi dividida em três. A região “A”, que contempla o Subúrbio Ferroviário, vão rodar os ônibus de cor amarela. Na região “B”, no centro da cidade, os ônibus que vão circular são os de cor verde. Na Orla, considerada a região “C”, os ônibus azuis é que vão estar disponíveis para a população.

Além disso, ainda de acordo com a Semut, os novos ônibus, além de terem um menor custo de manutenção em relação aos antigos, possuem um índice de poluição 70% mais baixo. Vale lembrar também que os ônibus antigos continuam em circulação normalmente e terão até 12 meses para se adequar à nova realidade do transporte público em Salvador.

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960