Passageiros desaprovam reajuste e questionam qualidade dos ônibus no Recife

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Mais de três milhões de passageiros começaram a pagar as novas tarifas do transporte público de ônibus no Grande Recife, nesta segunda-feira (12). O preço foi arredondado pela Agência de Regulação de Pernambuco (ARPE). O valor do Anel A, que atende 80% das linhas de ônibus do Recife, passou de R$ 2,15 para R$ 2,45. O reajuste é considerado alto pelos usuários da capital pernambucana e muita gente reclamou do impacto no orçamento. 

O trabalhador que não tiver o vale transporte poderá gastar até R$ 300 por mês de passagem. O reajuste também irá prejudicar os usuários que utilizarem os serviços especiais, como os coletivos opcionais com destino ao aeroporto. O valor deste tipo de coletivo passou de R$ 2,70 para R$ 3. Uma das maiores queixas dos passageiros é o aumento das tarifas em relação a qualidade do serviço que é oferecido pelo Grande Recife. 

Os problemas do Terminal Integrado da Macaxeira, por exemplo, começam na entrada do espaço. A estrutura de ferro, que deveria ser uma coberta, está enferrujada e incompleta. A obra de construção está abandonada há meses e expõe os passageiros ao sol e chuva. As grandes filas viraram rotina no local. Os ônibus demoram a chegar e, quando finalmente se aproximam da plataforma, os usuários precisam se apertar para entrar nos coletivos. 

A situação é a mesma no Terminal Integrado do Barro, no bairro de Jardim São Paulo, próximo à BR-101. Os ônibus também saem lotados de passageiros durante os horários de pico. As pessoas ficam apertadas entre as portas e janelas dos veículos, mas a reclamação maior acontece em relação aos horários. A tabela das plataformas determina o cronograma das viagens, mas os coletivos não cumprem a norma pré-estabelecida. 

No centro do Recife, as paradas de ônibus não são confortáveis e várias estão depredadas. Muitas estações do BRT ainda estão em construção e longe de ser concluídas. A Avenida Conde da Boa Vista deveria comportar seis estações do sistema, mas as obras estão praticamente paradas. Algumas foram improvisadas ao lado, mas também não são atendidas pelos motoristas de várias linhas de ônibus.

Na rodovia PE-15, o projeto do corredor Norte-Sul andam a passos lentos. As estruturas deveriam ficar prontas em 2014, durante a Copa do Mundo. O coletivo de via livre, que deveria ter pista exclusiva, se mistura aos demais veículos e atrasam as viagens. O que deveria ser uma solução para a mobilidade urbana, agora representa maiores problemas para o transporte público rodoviário.

Segundo o diretor de operações do Grande Recife, André Melibeu, o consórcio planeja melhorias, com renovação de 400 veículos neste ano, sendo 200 no primeiro semestre de 2015. Sobre os atrasos no Terminal Integrado do Barro e da Macaxeira, o gestor justificou a irregularidade através dos congestionamentos e falta de manutenção na BR-101. Ele defendeu a celeridade do serviço e disse que as viagens serão otimizadas, principalmente pelo sistema BRT.

Informações: TV Jornal

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960