Em São Paulo, Faixas de ônibus são invadidas por carros e multas cresceram 69% no ano passado

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Bandeira de Fernando Haddad (PT) para diminuir os problemas do trânsito da cidade, as faixas exclusivas e corredores de ônibus foram responsáveis por 1,2 milhão de autuações em 2014. A multa por invadir os espaços exclusivos dos coletivos foi o índice que mais cresceu no ranking do ano passado: 69,5% a mais do que as 713,5 mil infrações aplicadas em 2013. 

Em uma rápida visita à  Ligação Leste-Oeste, sobre o Viaduto Jaceguai, exatamente em cima da Avenida 23 de Maio, Zona Sul, dá para ver que os carros tomaram o lugar que era par ser do ônibus. 

Às 13h, fora do horário de pico, portanto, 52 veículos, a maioria  automóveis, passaram pela faixa em apenas 5 minutos. Ao acessar a   23 de Maio, o motorista tem à sua frente cerca de 140 metros de linha tracejada para se deslocar às faixas da esquerda. 

O término da sinalização, a qual permite o tráfego de outros veículos por se tratar de  uma transição, coincide com o fim do Viaduto Jaceguai. A partir daí,  começa a faixa exclusiva para ônibus naquele trecho.

No Viaduto Pacaembu,  na Zona Oeste, o problema se repete. A quantidade de carros na faixa à direita era praticamente a mesma das outras à esquerda, ou seja, havia congestionamento de carros no trecho reservado aos coletivos, que preferem a pista da esquerda.

De acordo com o CTB (Código de Trânsito Brasileiro), transitar na faixa exclusiva  à direita é uma infração leve, com perda de três pontos na carteira e multa de R$ 53,20. Já a multa para quem invade os corredores, à esquerda, é de R$ 127,69, com perda de cinco pontos. A  infração é grave.

Em ambos os trechos visitados, o DIÁRIO não viu agentes de fiscalização. Porém, os cerca de 560 radares espalhados pela capital também podem flagrar as infrações e render multa.

Por: Ulisses de Oliveira 
Informações: Diário de SP

Leia também sobre:

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960