Moradores reclamam da falta de coletivos em Aracaju

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Os moradores da zona rural da região da Grande Aracaju estão denunciando a falta de transporte coletivo e solicitam medidas urgentes para por fim à deficiência, que tem causado grandes transtornos à população que reside em pelo menos oito povoados dos municípios de Nossa Senhora do Socorro e São Cristovão.

O conselheiro tutelar Elenildo Figueiredo informou que os moradores já se reuniram realizaram um abaixo assinado e o encaminharam ao Ministério Público Estadual, por meio da Associação Comunitária José Emílio Vieira Figueiredo, solicitando medidas para regularização do transporte coletivo que atende aquelas comunidades. Segundo o conselheiro tutelar, houve audiência pública e ficou estabelecido que a empresa que explora a linha 714 disponibilizaria diariamente pelo menos dois ônibus nos horários de maior demanda, no início da manhã e entre o final da tarde e início da noite, ao encerrar o expediente comercial.

O trabalhador rural Cleones dos Santos informou que no sábado, 18, os moradores foram surpreendidos com a decisão da empresa em excluir o ônibus que faz o horário das 16 horas. “O ônibus só passou às 18 horas e veio como lata de sardinha, superlotado”, conta o rapaz.

Os moradores ouvidos pelo Portal Infonet informaram que já foram buscar explicações na Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) de Aracaju, que administra o sistema da região metropolitana, mas não tiveram respostas satisfatórias para o problema. “A SMTT diz que a linha não dá lucro”, revelou Elenildo Figueiredo. “Se vê a conivência da SMTT com as empresas. O que a SMTT faz é ser conivente e não abre espaço para a concorrência, se tivesse um sistema alternativo, a gente não sofria tanto”, conceitua.

SMTT

O coronel Péricles Menezes, diretor de transportes públicos da SMTT de Aracaju, deixou claro que conhece os problemas e sugere que a questão seja discutida com os órgãos de Aracaju, Nossa Senhora do Socorro e São Cristovão com participação da comunidade. “Porque o problema não é só do transporte público, há problemas que envolvem toda a infraestrutura”, ressaltou o coronel.

Ele não fala em questão lucrativa, mas observa que há linhas com baixa procura. “Não digo que é o caso desta, mas há linhas que transportam 2 mil e 400 passageiros no mês e para se ter uma linha razoável é necessário que o ônibus transporte pelo menos dez mil passageiros no mês”, observou.

Para o coronel, é necessário discutir medidas que melhorem a infraestrutura do anel viário naquelas comunidades, que é de responsabilidade de cada município em questão. “Nosso transporte é urbano, mas se observa nas comunidades características de zona rural”, observou. “É necessário colocar ônibus mais rústicos para suportar as condições atmosféricas”, observou destacando o lamaçal que se forma no anel viário em período chuvoso.

Procurada pelo Portal Infonet, a assessoria de imprensa informou que a Prefeitura de Nossa Senhora do Socorro tem cuidado do anel viário no âmbito de sua jurisdição. A assessoria reconhece deficiência em alguns trechos no período chuvoso, mas alertou que os problemas são corrigidos, assim que a SMTT de Socorro recebe notificação da SMTT de Aracaju.

O Portal Infonet também tentou ouvir representante da prefeitura de São Cristovão, mas não obteve êxito. A assessoria de imprensa se comprometeu em encaminhar resposta, mas até o momento não se manifestou. O Portal Infonet permanece à disposição. Informações devem ser enviadas por e-mail jornalismo@infonet.com.br ou por telefone (79) 2106 – 8000.

Por Cássia Santana
Informações: Infonet

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960