Estações novas do BRT Transcarioca têm pouco movimento

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

O primeiro dia útil nas seis novas estações do BRT Transcarioca foi de pouca movimentação. A reportagem fez nesta segunda-feira (6) o trajeto entre o Aeroporto Tom Jobim, na Ilha do Governador, até o Terminal do Alvorada, na Barra da Tijuca, Zona Oeste da cidade, viajando nos veículos semi-direto e parador. Alguns passageiros ainda não sabiam que o sistema estaria totalmente completo já nesta semana, com as 47 estações em funcionamento. Apesar das novas estações, o BRT convive com o velho problema de sempre: a imprudência de pedestres nos trajetos do corredor expresso.

Nesta manhã, os guardas das estações novas, todas no Subúrbio da cidade, comentaram que os locais permaneceram com poucos passageiros desde a abertura. O analista de sistemas Roberto Teixeira, 36 anos, mora em Olaria, no Subúrbio, bairro contemplado com uma das novas estações. Ele voltava de uma viagem do aeroporto e não sabia que já podia ficar mais perto de casa sem sair do sistema viário.
"Cheguei hoje de Curitiba, ia saltar na Penha para pegar uma linha de ônibus convencional até em casa", disse ele, que foi informado das novas possibilidades pela equipe de reportagem.

Nádia da Silva, panfleteira, mora na Maré e já sabia do funcionamento da estação do BRT perto da comunidade. Ela e uma amiga embarcaram no corredor de ônibus para chegar até o terminal Alvorada. "Hoje vimos só conhecer mesmo", contou.

Os novos pontos de embarque e desembarque - Fundão, Santa Luzia, Cardozo de Moraes, Ibiapina, Olaria e Cacique de Ramos - beneficiam a região da linha férrea da Leopoldina, com algumas integrações com os trens. Nesta manhã, o secretário municipal de transportes Alexandre Sansão disse que inicialmente essas estações funcionarão sozinhas, sem o apoio das linhas alimentadoras, como ocorre com outras estações do BRT no município.

"O BRT completa então o seu corredor principal, atentendo aos bairros da Leopoldina que ainda não tinham sido beneficados direntamente pelo Transcarioca, são eles: Olaria, Ramos, Bonsucesso, Maré e Ilha do Fundão, Cidade Universitária. Num primeiro momento a gente implementa as linhas troncais do BRT e aos poucos a gente vai implantando as linhas alimentadoras", disse.

Imprudência dos pedestres
Se o sistema de BRT Transcarioca parece funcionar sem problemas neste período, o mesmo não podemos dizer sobre o comportamento dos pedestres em áreas onde passa o BRT.

Especialmente no bairro da Penha, no Subúrbio, foi possível ver muitos pedestres atravessando fora da faixa, com o sinal fechado para eles, obrigando o motorista do veículo do BRT Transcarioca a buzinar e reduzir a velocidade. Algumas grades que separam as pistas também estavam danificadas no trajeto.

Em um cruzamento, uma mulher atravessava como filho pequeno com o sinal fechado para pedestres e, logo mais a frente, um agente de trânsito do BRT teve que retirar um homem que trafegava com um carrinho de supermercado no meio da pista do corredor expresso.
"O brasileiro não está acostumado com o progresso. Ele resiste a obedecer as regras, mas o Brasil tem que andar junto com o mundo. Ainda acontece muito acidente por causa das pessoas que atravessam errado", disse a passageira Nádia.

Informações: Guilherme Brito
Do G1 Rio

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960