Usuários e motoristas apontam os problemas do transporte coletivo de Ribeirão Preto

sábado, 27 de setembro de 2014

Nas vias de Ribeirão Preto é comum encontrar congestionamento diariamente. São carros, motocicletas, bicicletas e caminhões na disputa por um espaço no trânsito. E para os motoristas de ônibus do transporte coletivo, a situação não é diferente. Segundo dados do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), são 1.836 veículos do transporte coletivo circulando em Ribeirão Preto.

A linha mais movimentada é a 402 - Ribeirão Verde, que tem mais de 136 mil usuários por mês. A reportagem da CBN Ribeirão embarcou para acompanhar esse trajeto. Adriano Ricardo da Silva foi uma das pessoas a ocupar um dos trinta assentos do coletivo da linha 402. O vendedor disse que prefere deixar o carro em casa, pois é mais econômico andar de ônibus. "Eu tenho veículo, mas eu prefiro usar esse transporte porque o custo é menor pra mim. Colocando mais linhas, reduzindo o tempo de espera de um ônibus pro outro, eu acho que melhoraria bastante", contou. A superlotação é outro problema enfrentado pelos usuários. 

A estudante Ana Paula usa a leitura como passatempo durante o trajeto. "O período é muito longo de viagem e a gente tem que se distrair de alguma forma. Já basta o ônibus lotado, né, então a gente tem que se distrair", disse. Para o motorista Fabricio, as vias que apresentam maior índice de congestionamento são as Avenidas Jerônimo Gonçalves e Saudade e a Rua São Paulo. E essa é a rotina dele. "Lotado, trânsito e a gente vai levando essa vida no dia a dia. O que pesa aqui mesmo é o dinheiro. Isso de dirigir e cobrar é muita responsabilidade".

Do percurso que durou 1h35, a reportagem seguiu para a linha com maior extensão, com mais de 41 quilômetros por volta. Rogério Onofre é o condutor da 373 - Vila Abranches/ Ipiranga. Para ele, o fluxo de veículos nos horários de pico atrapalha muito, mas o grande desafio é a falta de respeito com a sinalização. "O principal problema que a gente encontra é a falta de atenção de muitos motoristas, a imprudência de atravessar sinal vermelho, parado em cima da faixa... esses são os principais acontecimentos de acidente que eu vejo pela cidade toda no decorrer do trabalho. E um pouco os pedestres que não respeitam muito a sinalização", falou. E quanto aos congestionamentos, os corredores para os ônibus ajudariam a melhorar o trânsito. 

Durante o trajeto, o motorista relatou que a Rua João Bim e as Avenidas Barão do Bananal e Dom Pedro I possuem estacionamento dos dois lados, o que dificulta bastante a locomoção. O caminhoneiro Aparecido Donizete de Souza usa o transporte público para fugir do estresse. "Eu ando nas cidades a fora e vejo que Ribeirão Preto, pelo tamanho, tinha que ter mais conscientização dos motoristas, tanto de caminhão, carro e moto. Ninguém respeita ninguém! E eu acho que tinha que ter mais planejamento dentro da cidade, então eu prefiro o trânsito do ônibus do que sair com o carro e passar nervoso", relatou.

Já o passageiro José Carlos usa o transporte coletivo porque não tem carro e acredita que, se todos fizessem o mesmo, o trânsito seria mais fácil. "Usar o ônibus e deixar o veículo em casa porque economiza e causa menos transtorno, menor quantidade de veículos na rua. A pessoa acostumaria a andar de ônibus e não ia tanto querer pegar o veículo em casa."

O advogado especialista em trânsito, Rodrigo Paschoalotto, concorda com a ideia do José Carlos e ainda acrescenta que um transporte de melhor qualidade e com confiabilidade no horário, tiraria o motorista do transporte individual e o levaria para o coletivo: "Nós temos que repensar esse modelo de ônibus que nós temos hoje em Ribeirão Preto como também nós temos que repensar o trânsito. Nós temos que fazer a circulação de ônibus fluir de uma forma melhor. Automaticamente vamos criar corredores de ônibus em Ribeirão Preto em avenidas principais. Isso vai melhorar o serviço público, dando eficiência ao serviço", concluiu.

Segundo dados da Transerp, por mês, 4 milhões e 700 mil pessoas usam o transporte coletivo em Ribeirão Preto. Em nota, a assessoria do Consórcio Pró-Urbano informou que a empresa acredita que "priorizar o transporte coletivo é a solução para os problemas de trânsito e transporte de qualquer cidade. A lotação nos horários de pico em Ribeirão está dentro de todos os parâmetros em nível nacional, em muitos casos o índices é menor. Aqui, o índice estabelecido por Edital foi de seis passageiros por metro quadrado. No entanto, o que as autoridades precisam, segundo o consórcio é priorizar o transporte, torná-lo mais ágil, deixar o ônibus ir e vir, isso sim atrai novos clientes fazendo com que deixem o carro em casa."

Informações: CBN

Leia também sobre:

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960