Pesquisa revela que 88% dos paulistanos aprovam as ciclovias e 90% são favoráveis à ampliação das faixas exclusivas para ônibus

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

A Secretaria Municipal de Transportes já entregou 70,6 km  de ciclovias. A meta da atual administração é ativar um total de 400 km até o final de 2015

Os resultados da 8ª Pesquisa sobre Mobilidade Urbana, realizada pela Rede Nossa São Paulo e o Instituto Ibope, apontam que aumentou de 86% para 88% o índice de aprovação dos paulistanos à política de implantação de ciclovias em São Paulo. O levantamento também revela que 90% dos entrevistados são favoráveis à ampliação das faixas exclusivas para circulação de ônibus à direita nas vias da cidade.

Os dados foram anunciados nesta quinta-feira, 18 de setembro, durante evento da Semana da Mobilidade 2014 no Sesc Consolação, na região central da cidade. Para o secretário municipal de Transportes a avaliação é satisfatória e mostra que as intervenções para a melhoria da mobilidade urbana estão mudando a cultura e a forma de as pessoas verem a cidade.
"O dado novo é que o grande apoio dos paulistanos para a bicicleta é  muito importante para a cidade, pois  estamos falando de um serviço não motorizado. Isso  (as ciclovias) ajuda quem precisa desse transporte,  ajuda do ponto de vista ambiental  e da saúde pública e individual e, portanto, ajuda a cidade . Os resultados só nos encorajam  ainda mais para continuar nesse projeto de implantação de 400 km de ciclovias  em São Paulo",  ponderou o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, durante a divulgação do levantamento.

A pesquisa mostrou  ainda  que são gastos, em média, 2h46 nos  deslocamentos   diários no trânsito para os que usam ônibus todo dia. "Sem dúvida  é um número que poderá diminuir  à medida que a interligação com outros modais de transporte como a bicicleta passa a ser utilizada, como já ocorre com o ônibus, o trem e o metrô,  avaliou  o secretário.  

Questões identificadas na pesquisa em relação ao nível de satisfação com o transporte público, como tempo de espera e redução de frota nos fins de semana , por exemplo, serão resolvidas quando a nova licitação do sistema for concluída e entrar em vigor.  "Pela ordem, estão previstas a licitação da nova rede do transporte público; a rede noturna, que já está com um projeto piloto em vigor; e a rede de transporte para o fim de semana, que ainda iniciaremos estudos", antecipou Tatto.

A abertura do evento  desta quinta-feira  foi feita pelo Coordenador Geral da Rede Nossa São Paulo e do Programa Cidades Sustentáveis, Oded Grajew, e  pelo Coordenador Executivo da Rede, Maurício Broinizi Pereira. A pesquisa  de Mobilidade Urbana foi apresentada pelo Diretor de Negócios do Ibope Inteligência, Hélio Gastaldi. 

Presente ao encontro, o prefeito Fernando Haddad fez um pronunciamento sobre mobilidade, desafios e a importância do papel da Rede Nossa São Paulo. Também marcaram presença, ao lado do secretário Jilmar Tatto,  o  secretário estadual de Transportes, Jurandir Fernandes, representantes de órgãos que apóiam a Agenda Brasil Sustentável e candidados ao governo de São Paulo ou seus representantes . O evento foi encerrado com a Assinatura da Carta Compromisso do Programa Cidades Sustentáveis. 

Coordenadoria de Comunicação - SMT
Informações: SPTrans

Leia também sobre:

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960