Em Curitiba, Obras melhoram segurança e conforto nos terminais do transporte coletivo

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Os 21 terminais de transporte coletivo de Curitiba têm recebido pequenas reformas que garantem mais conforto e segurança aos mais de um milhão de pessoas que diariamente circulam nestes espaços. São desde pequenas intervenções, como a troca de luminárias e colocação de placas indicativas; a obras de maior porte - como troca de calhas, conserto de coberturas e implantação de rampas de acesso a estações -, além de algumas novidades, como tintas especiais que resistem a manchas e pichações.

No Terminal Boqueirão, uma rampa metálica melhorou o acesso à estação tubo dos ligeirinhos Sítio Cercado e Barreirinha/São José. No Campo Comprido, o túnel de ligação entre os dois lados do terminal foi pintado com tinta anti-pichação e o ambiente ficou mais claro e limpo; as escadas foram revestidas com porcelanato antiderrapante, o que foi feito também no túnel de ligação do Terminal Capão Raso. No Carmo, a bilheteria ganhou novo espaço, com cobertura em domos, deixando o ambiente mais claro. E o Terminal Vila Oficinas ganhou uma sala para a fiscalização.

As obras são feitas de acordo com a necessidade e a prioridade em cada espaço, mas algumas intervenções foram realizadas em todos os terminais. É o caso da instalação de fotocélulas, dispositivo que mantém as luzes apagadas durante o dia e acesas à noite ou quando, em dias mais escuros, há menor luminosidade natural. O controle automático, que antes era manual, garante que o usuário tenha iluminação necessária e evita desperdícios com lâmpadas acesas durante o dia.

Outra melhoria feita em todos os terminais foi a instalação de fraldário, equipamento que garante conforto às mães que precisam trocar seus bebês no meio do caminho. Feito em plástico, com bordas de segurança para o bebê, o fraldário suporta até 20 quilos e, quando não é utilizado fica fechado junto à parede, ocupando menos espaço. Os fraldários foram instalados nos sanitários para pessoas com deficiência, onde há mais espaço.

Algumas intervenções sequer são notadas pelos usuários, como é o caso das fotocélulas; troca de caixas de eletricidade e condutores por sistemas mais modernos e seguros; fechaduras elétricas, molas em portões que passam a abrir com mais facilidade; ou corrimão em escadas e rampas.

Outras alterações são percebidas de imediato, como é o caso da rampa metálica ao lado da escada de acesso da estação tubo no Terminal Boqueirão.

“Eu achei que ficou ótimo”, afirma o aposentado Euclides Campese, que passa todos os dias pelo terminal. “A gente sempre vem apressado, com alguma sacola, ficou mais rápido descer a rampa, fica mais seguro” diz Euclides, que afirma ter notado também outras melhorias. “Acho que ficou tudo muito bom, está iluminado, tem até faixa de pedestre”.

Estudantes do curso de Administração da Universidade Positivo, Bruna Barella e Fernanda Domingos passam todos os dias pelo terminal Campo Comprido, onde atravessam o túnel. “Ficou muito mais claro, está muito melhor, parece mais iluminado”, afirma Bruna. Ela admite que, na correria do dia a dia, demorou para notar a mudança. “Está mesmo diferente, mas não sabia que era por causa dessa tinta, ficou limpinho, está muito bacana”, completa Fernanda. O túnel foi pintado de branco com tinta que não absorve pichação. 

Algo parecido foi feito no Terminal Capão da Imbuia, onde foi usada tinta que não absorve manchas para pintar uma barra na parede próxima ao piso. Muitas pessoas costumam amparar o pé na parede, enquanto esperam o ônibus e, agora, esse hábito já não causa problema, porque a parede já não fica com manchas de calçados.

Cobertura

Além dessas pequenas intervenções, uma revisão na cobertura dos terminais, feita nos primeiros meses do ano passado mostrou a necessidade de consertos de telhas e domos, troca de calhas e reestruturação de coberturas. A maior destas obras foi feita no Terminal Pinheirinho, onde os vazamentos prejudicavam usuários e lojistas e complicavam a operação do transporte em dias de chuva.

Foram revitalizados 27 mil metros quadrados de cobertura com a recuperação ou troca de 2,2 mil metros lineares de calhas e readequação de 208 pontos de esgotamento de água. A obra, orçada em R$ 1,8 milhão, foi feita sem custos para o Município, o que foi possível com a inclusão do trabalho no contrato de manutenção dos terminais, feito em 2012.

A partir daí a empresa responsável pela manutenção dos terminais passou a responder também pela manutenção das coberturas, com obras de grande porte também em outros terminais como Hauer e Campina do Siqueira. A característica das coberturas, boa parte delas feitas em domos, exige manutenção permanente para evitar vazamentos. Há pouco tempo, por exemplo, foram necessários novos reparos na cobertura do Terminal Campina do Siqueira, onde estão sendo testados novos materiais, importados, mais resistentes à ação do tempo.

Informações: Urbs

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960