Usuários do transporte coletivo de Teresina disputam sombra nas paradas

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Faz sol ou faça chuva, os teresinenses já sabem que se precisarem das paradas de ônibus para se protegerem contra um desses fatores climáticos, ficarão apenas na vontade. Isso porque as estruturas deixam a desejar e expõe os usuários do transporte público às intempéries.
Marcela Pachêco/O Dia
Quando o ponto de ônibus conta com a estrutura, muitas vezes, de nada protege. Com uma cobertura pequena, impedindo que a luz solar avance até os assentos, os usuários precisam subir nos bancos para evitar que fiquem expostos. Outros, apenas possuem uma placa indicando que o local é uma parada de coletivo. Para esses usuários, a única solução é se esconder atrás da mínima sombra do poste.

O estudante Robert Fernando Melo, de 19 anos, disse que disputar a sombra dos postes de energia elétrica ou subir nos bancos dos pontos de ônibus é algo comum em sua rotina. “Eu sempre faço isso para tentar me proteger do sol ou em período de chuva. Essas paradas não protegem nada, porque a cobertura é muito curta”, aponta. 

Ainda segundo ele, muitos pontos estão instalados em locais inadequadas, deixando as pessoas, diariamente, expostas e sem qualquer tipo de proteção. “Deveriam pensar em pontos que tivessem árvores para amenizar o clima, além de paradas que oferecessem um pouco mais de conforto”, sugere.Robert disse que as únicas paradas de ônibus que são um pouco mais adequadas e que protegem os usuários são as da Praça da Bandeira e da Praça do Fripisa, por apresentarem uma cobertura maior.

O aposentado Mauro Roberto, de 43 anos, sofre de problemas renais e constantemente faz visitas ao médico. Sem ter um transporte particular, ele precisa aguentar as altas temperaturas nos pontos de ônibus. “Eu não posso pegar sol porque sou doente, mas essas paradas não protegem nada. Deveriam mudar essas e colocar umas maiores, que protegessem mais. Quando chove também não resolve, porque molha todo”, lamenta.

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960