Prefeitura de São José dos Campos adia expansão de corredores de ônibus

terça-feira, 29 de julho de 2014

A Prefeitura de São José condicionou a implantação de corredores de ônibus nos bairros ao projeto do BRT (Transporte Rápido por Ônibus), o que só deve ocorrer a partir de 2015.

Os atuais 7 km de vias preferenciais e exclusivas poderão saltar para 70 km com o BRT. Para isto, segundo a Secretaria de Transportes de São José, a ideia é aproveitar o que já foi feito nos corredores de ônibus.
“As avenidas São José e Madre Teresa, por exemplo, têm grande possibilidade do BRT passar. O corredor deverá ser readequado para o sistema de forma definitiva”, disse o secretário de Transportes, Luiz Marcelo Santos. 

Adaptações. Entre os pontos que mais causam controvérsias está a adaptação no trânsito do município para a implantação do BRT. Segundo o secretário de Transportes, todas as alterações no sistema viário de São José dependerão do projeto executivo. 
“Faremos uma licitação no chamado RDC (Regime Diferenciado de Contratação), onde poderemos licitar o projeto executivo e a obra ao mesmo tempo, agilizando o processo. Acredito que o projeto executivo esteja pronto no final deste ano para as obras começarem já no começo do ano que vem.”

Usuários criticaram o adiamento do projeto de expansão dos corredores (leia texto nesta página).
O secretário afirmou ainda que todo o trajeto do BRT será contemplado também por ciclovias, com o objetivo de incentivar o transporte sobre duas rodas, menos poluente e mais saudável. 

Rapidez. A agilidade no transporte é a marca do BRT. Trata-se de um sistema em que os ônibus trafegam em canaleta segregada no sistema viário, por isso, mais rápido. Pela proposta inicial, as estações serão de pré-embarque, ou seja, o usuário paga a passagem antes de ingressar no ônibus, o que facilita a mobilidade do sistema.

Embora as intervenções no sistema viário ainda não sejam conhecidas, possivelmente haverá necessidade de troca de pavimento em vias e readequação de sistemas de galeria de águas pluviais e de saneamento básico para acomodar o BRT. 

A obra deverá custar cerca de R$ 842 milhões, verba vinda do PAC 2, incluindo a contrapartida do município, no valor de R$ 42 milhões. Enquanto o BRT não chega, usuários do transporte público de São José reivindicam a expansão dos corredores de ônibus para os bairros ainda neste ano.

A auxiliar de serviços gerais, Ednaura Romana, 41 anos, moradora do bairro Putim, zona leste, diz que os corredores poderiam melhorar a fluidez dos ônibus nos pontos mais distantes. “Já devia atender aos bairros. Espero quase uma hora pelos ônibus. Se os corredores fossem até os bairros teria mais agilidade.” 

Mesma opinião tem a advogada Marilza Vitória Carvalho, 63 anos, que mora no Jardim Bela Vista, região central. 
“Quanto antes ampliassem os corredores seria melhor, pois foi uma boa iniciativa. Onde eles passam está mais rápido o transporte. Esperar até o fim das obras do BRT vai demorar muito”, disse. 

Já a coordenadora de atendimento, Eliziane Campos Victor, 43 anos, da Vila Industrial, diz que a espera vai valer a pena. “Ainda estamos nos acostumando e as avenidas são curtas. Se aumentar mais uma faixa não teria espaço para estacionamento”, disse.

Por Lauro Lam 
Informações: O Vale

Leia também sobre:

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960