No Rio, Ponto final na linha 3 do metrô será em Guaxindiba

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Cercado por duas importantes rodovias e situado a apenas 25 quilômetros de Niterói, o bairro de Guaxindiba é habitado por apenas 3.926 pessoas (dados do censo do IBGE de 2010), espalhadas por 16 ruas. Nem parece fazer parte de São Gonçalo, a segunda maior cidade do estado, com mais de um milhão de habitantes. Não há muito o que ver, além da escola pública, do posto de saúde e de alguns estabelecimentos. O maior movimento ali é dos caminhões que passam levando material para as obras do Comperj. Mas é lá, onde parece que o tempo parou, que será construída a última das 14 estações da linha 3 do metrô.

Quando for inaugurada, a linha 3, que ligará Niterói a São Gonçalo, beneficiará 1,5 milhão de pessoas. O local ainda não foi definido, mas deverá ser próximo à BR 101. Hoje, Guaxindiba só tem duas linhas de ônibus. 
Embora isso tudo esteja previsto para acontecer em 2018, a expectativa dos moradores já é grande. Muitos esperam que o metro leve mais emprego, escola e lazer ao bairro. Eles também não escondem a euforia com a valorização dos imóveis.

"Aqui, só se fala em milhão. Já estão vendendo terrenos de R$ 10 mil por R$ 100 mil. Meu estabelecimento será mais valorizado”, comemora a comerciante Márcia Meirelles, de 46 anos. Há quatro, ela montou uma padaria que está sendo ampliada.

Fornecedora de quentinhas para empresas da região, Márcia vai abrir uma pizzaria e um restaurante. “Acho que a vinda do metrô trará melhorias”, diz ela. 
A jornaleira Elisângela da Conceição Peixoto, de 42, não é tão otimista: “O metrô vai beneficiar apenas quem vai precisar dele. Aqui para dentro, não vai mudar nada”. Elisângela teme que problemas da região, como a falta de creche, continuem existindo, com ou sem metrô. “Tem uma do outro lado do bairro. As mães se arriscam com os filhos para a atravessar a BR. E os jovens também não têm o que fazer porque não temos nenhuma praça para o lazer”, lamenta a jornaleira.

A prefeitura de São Gonçalo diz que negocia recursos para o bairro mediante convênio com a Caixa Econômica Federal.

O pó da Ponte e do Maracanã

Guaxindiba já sonhou antes com um futuro diferente da realidade que hoje se vê em suas ruas poeirentas. Em 1924, foi instalada ali a Fábrica de Cimento Portland, de capital inglês, que posteriormente mudou de razão social para Fábrica de Cimento Mauá, produtora do cimento de mesmo nome. Antes, era apenas mais uma fazenda.

A qualidade do produto era tanta que a fábrica foi inaugurada por ninguém menos que o presidente Getúlio Vargas. O cimento produzido em Guaxindiba foi usado na construção do estádio do Maracanã, inaugurado a tempo para os jogos da Copa de 1950, e da Ponte Rio-Niterói, entregue ao tráfego em 1974.

Com a escassez de calcário na região, a Cimento Mauá foi desativada e sua produção, transferida para Cantagalo, na Região Serrana. Hoje, o povo de Guaxindiba sonha de novo.

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960