Mobilidade urbana é reprovada pelos torcedores na chegada à Fonte Nova

domingo, 15 de junho de 2014

O caminho para chegar à Arena Fonte Nova rendeu queixas dos torcedores, em função de pontos de lentidão no trânsito e longas filas para acessar as linhas especiais de ônibus em três shoppings. “Tivemos alguns contratempos por causa da antecipação dos horários de pico”, disse Fabrizzio Muller, superintendente da Transalvador.
Foto: Portal iBahia.com
Entretanto, segundo as autoridades, as dificuldades na ida não se repetiram na volta. Segundo a Transalvador, cerca de 1h30 após o fim da partida não havia mais torcedores nas imediações da arena. “Os pontos que foram identificados vamos melhorar”, garantiu Muller. Uma reunião com a gerência operacional de trânsito será realizada neste sábado (14/6) para avaliar o primeiro dia de jogos e definir estratégias para o jogo entre Alemanha e Portugal, na próxima segunda-feira (16).

Com a interdição no entorno da Arena Fonte Nova, o trânsito ficou completamente congestionado nas principais vias da cidade. A região do Comércio, Vasco da Gama e Brotas foram as mais movimentadas, apesar da presença dos agentes da Superintendência de Trânsito da cidade (Transalvador) para possível orientação aos motoristas.

Alguns acessos foram bloqueados pela Prefeitura para garantir a ordem no entorno do estádio. Vale do Nazaré, sentido Centro, da Mário Leal Ferreira (Bonocô) a partir da entrada do Ogunjá, Av. Joana Angélica e toda região do Campo da Pólvora ficaram interditados. Diante da situação, alguns torcedores reclamaram dos congestionamentos. “Não concordo com a interdição de alguns lugares. Achei desnecessário, pois só complicou o trânsito e contribuiu com a dificuldade de estacionar”, reclamou Maurício Torres, 47 anos.

Nos dois sentidos a Avenida Vasco da Gama apresentou trânsito lento. Quem mora na região de Nazaré ou Barris e precisou chegar à Sete Portas, encarou um trânsito de cerca de uma hora.  Além dos transtornos com o trânsito, a presença de flanelinhas também foi um incômodo para os motoristas. “Eles estão cobrando diferentes preços. Já ouvi gritarem R$ 15 como também já me ofereceram R$ 4. Infelizmente temos que pagar”, reclamou a professora, Angélica Muniz, que procurava uma vaga nas ruas transversais da Ladeira dos Galés. 

Foram estabelecidas duas áreas de restrição de trânsito no entorno da Arena Fonte Nova. A Primeira na Rua Professora Anfrísia Santiago, a segunda em todo o entorno da Arena Fonte Nova em dias de jogos, iniciando 5h antes de cada partida e finalizando 1h após seu encerramento. Exceção da Avenida Presidente Costa e Silva (Dique), que será interditada às 20h do dia anterior aos jogos. Para mais comodidade dos torcedores, a prefeitura disponibilizou 2.810 vagas de estacionamentos gratuitos durante os jogos na capital. 

O que funcionou
Além da grande marcha laranja promovida pelos holandeses, a circulação de pessoas no entorno da Fonte Nova, que teve um público de 48.173 torcedores, ocorreu normalmente. Mesmo os curiosos e o público que não conseguiu ingresso puderam passear nas imediações e sentir o clima da Copa. “Começamos a Copa com uma grande movimentação popular”, enfatizou secretário estadual da Copa, Ney Campello.

As operações dentro da Arena, que já foi palco da Copa das Confederações e recebeu grandes shows, como o do inglês Elton Jonh, também foram elogiadas. “O equipamento funcionou muito bem”, afirmou o secretário, explicando que as filas para acessar o estádio foram um reflexo das intercorrências na mobilidade urbana.

Os dados completos das ocorrências relativas à segurança ainda serão divulgados, mas o secretário municipal do Escritório da Copa, Isaac Edington, adiantou que a Polícia Militar coibiu com sucesso os casos de venda irregular de ingressos. “As incidências foram muito pequenas com cambistas”, adianta.

O secretário também comemorou o volume de turistas estrangeiros na cidade, que adquiriram aproximadamente 170 mil ingressos dos jogos da Fonte Nova, cerca de 51% do total. “Nunca registramos um público internacional tão grande num espaço de tempo tão curto”, afirmou Isaac Edington, revelando que 80% do público no primeiro dia da Fan Fest, que reuniu cerca de 15 mil pessoas no Farol da Barra, era de estrangeiros.

por Rayllana Lima e Melina Reis
Informações: Tribuna da Bahia


0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960