Metrô de Porto Alegre recebe quatro propostas

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Três consórcios e uma empresa previamente credenciados entregaram quatro estudos que subsidiarão o futuro edital de licitação para execução da obra e operação e a concessão do serviço.

As empresas habilitadas são o consórcio formado por ATP Engenharia, Headwayx Engenharia e AGR Projetos e Estruturação; CR Almeida Engenharia de Obras em consórcio com a Triunfo Participações e Investimentos; o consórcio da Investimentos e Participações em Infraestrutura (Invepar) junto com a Odebrecht Transport Participações; e a Construtora Queiróz Galvão. A comissão técnica, formada por representantes do município, do governo do Estado, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) e do metrô de Madri, analisarão os documentos entregues.

O prefeito José Fortunati explicou que apenas um projeto pode ser selecionado ou itens de cada um deles, além de complementos apresentados pelos técnicos da comissão. O valor total é de R$ 4,5 milhões, que pode ser dividido pelos concorrentes dependendo de como suas sugestões forem utilizadas. O valor será pago pela empresa que vencer a licitação, que pode ser uma das participantes desta etapa ou outra distinta que vier a participar da concorrência.

“Como o volume e a complexidade dos documentos entregues é muito grande, não vamos estipular um prazo para a análise. A previsão inicial era concluir em julho, mas não temos como manter este prazo, pois ele deve ser ultrapassado. Queremos realizar essa etapa com tranquilidade”, afirmou o prefeito. A intenção é publicar o edital de licitação no segundo semestre deste ano e iniciar as obras em 2015. Antes do lançamento do edital, será realizada uma audiência pública com a população para avaliar o futuro modal. A construção do metrô deve durar cinco anos. 

Os estudos apresentados ontem envolvem diversas áreas, como conhecimentos de engenharia e das esferas jurídica e financeira. Além disso, serão observados critérios como o custo de implantação e operação, durabilidade, confiabilidade e impactos das obras, sejam eles urbanísticos ou ambientais. Os técnicos também irão observar a utilização das mais modernas tecnologias para os métodos construtivos, tipo de trem, sinalização, segurança, acessibilidade, informação ao usuário, terminais e integração com os outros modais. A escavação do túnel será pelo método shield (tatuzão), com perfuração profunda mecanizada.

Fortunati ressaltou que o trajeto pode sofrer alterações. O trecho delimitado de 10,3 quilômetros entre o Centro e o Terminal Triângulo, na zona Norte, e mais 1,4 quilômetro até o Complexo de Manutenção, poderá ser ampliado. Como já está prevista a criação de uma segunda linha do metrô, de mais 10 quilômetros, entre o Centro e a zona Leste, as propostas podem incluir esta segunda fase em seus estudos se respeitarem os limites do orçamento. “As empresas podem apresentar outras alternativas, desde que encontrem um local, como existe nas proximidades do Triângulo, que possibilite a manutenção dos trens. Claro que respeitando o valor estipulado”, ressaltou.

Os R$ 4,84 bilhões definidos para a execução da obra serão divididos entre o governo federal, que destinará R$ 1,77 bilhão, o governo do Estado, que repassará R$ 1,08 bilhão, a prefeitura, com R$ 690 milhões, e o parceiro privado com R$ 1,30 bilhão. Além da construção, a prefeitura gastará cerca de R$ 195 milhões com desapropriações e R$ 500 milhões como contraprestação do serviço, pagos em 25 parcelas anuais de R$ 20 milhões. A empresa vencedora da licitação ficará com todo o valor arrecadado com o transporte dos passageiros. A expectativa é transportar, nessa primeira linha, 325 mil pessoas por dia.

O secretário estadual de Planejamento, Gestão e Participação Cidadã, João Motta, lembrou a importância do modal para todo o transporte da Capital e também para a Região Metropolitana. “As linhas de ônibus passarão a alimentar o metrô, que estruturará todo o sistema. A implantação é fundamental e decisiva”, observou. 

Por Jessica Gustafson

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960