BRT do Rio de Janeiro: Um sistema de transporte que já nasceu com problemas

segunda-feira, 31 de março de 2014

O BRT do Rio de Janeiro acumula, desde que foi implementado, uma impressionante sequência de acidentes. Colisões e atropelamentos fazem parte de uma triste rotina e, para especialistas, não faltam razões para isso. Eles alertam que este tipo de modal deve seguir gerando cada vez mais transtornos, principalmente por causa da ausência de planejamento e integração com os outros meios de transporte, da falta de treinamento dos motoristas e do mau hábito dos brasileiros de não respeitarem as sinalizações.

Somente nesta semana, ocorreram dois acidentes envolvendo esse sistema. Na manhã de quinta-feira (25), um caminhão bateu em um ônibus BRT na saída do Túnel da Grota Funda, na Avenida das Américas, na zona oeste do Rio. O caminhão, que transportava papelão, acabou tombando, e 32 passageiros sofreram lesões leves. Já na última segunda-feira (24), três crianças foram atropeladas por um ônibus BRT, na estrada do Mato Alto, também na zona oeste. Érica Macedo dos Santos, de 6 anos, Melyssa Farias Areis e Mariana Ferreira Augusto, ambas com 11 anos morreram, e outros quatro ficaram feridos.

Para Orlando Alves dos Santos Jr., professor do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional (IPPUR) da UFRJ e pesquisador da Rede Observatório das Metrópoles, não houve uma preocupação no projeto do BRT em oferecer integração com os pedestres e com outros modelos de transporte, como carros e outros ônibus.

“Se analisarmos os acidentes envolvendo BRT, desde o início de sua implementação, veremos que eles ocorreram com modais que compartilham o mesmo espaço público que o BRT. A ausência de planejamento de integração desse modal com os outros acaba gerando acidentes, colisões violentas entre esses veículos, que não estão convivendo de forma pacífica. Vale ressaltar também que a ineficiência desse planejamento quase sempre está atrelada ao fato de não incluírem o veículo a pé na análise, meio de locomoção muito utilizado pelos brasileiros”, explica o pesquisador.

De acordo com uma pesquisa de campo no BRT Alvorada, feita pelo professor da UFRJ, o projeto já nasceu obsoleto. “Eu tive a oportunidade de viajar de BRT e constatei que o sistema não tinha capacidade de acomodar a demanda de passageiros, além de ser mal planejado. O ponto de ônibus, que possibilita a integração do ônibus com BRT, não coincide com a travessia, por isso os pedestres atravessam fora da faixa; os bicicletários não dão vazão para o número de bicicletas, sendo assim, o outro lado da rua também se tornou um bicicletário improvisado; há ausência de segurança, pois as portas do ônibus não se fecham, por causa da superlotação”, contou Orlando dos Santos Jr.

Já para o engenheiro de Transportes e Mobilidade da Uerj, Alexandre Rojas, outro fator que pode contribuir para os acidentes, principalmente os atropelamentos, é a diferença deste veículo articulado, ou seja, mais longo, do ônibus rodoviário comum. “Os ônibus mais articulados são usados em trajetos maiores, contudo, ele deve ser dirigido como se fosse uma carreta, pois seu sistema de freios não é igual ao de um ônibus comum. Ele atua primeiro na parte de trás e depois vem em cascata para frente. O tempo de parada dele é mais longo, ou seja, demora mais para frear do que um ônibus comum. Se por acaso alguém atravessar na frente desse ônibus, o motorista pode não conseguir pará-lo totalmente a tempo”, afirma.

Porém, Rojas também cita a falta de obediência dos pedestres e motoristas às leis de trânsito como um fator que contribui para os constantes acidentes. “Os cariocas estão acostumados a atravessar fora da faixa e não esperar o sinal vermelho. Quem obedece, na verdade, é que está errado. Hoje, por exemplo, eu estava na Rua Visconde de Pirajá, em Ipanema [zona sul do Rio], quando um homem decidiu atravessar sem se importar com o fato do sinal estar livre para os carros. Consequência: um carro foi obrigado a dar uma freada brusca para não atropelá-lo e o homem ainda xingou o motorista”, contou.

Segundo o engenheiro de transportes, o que deveria e pode ser feito para amenizar essa situação são campanhas educativas, a fim de conscientizar a população sobre as leis de trânsito e sua importância. “O governo deveria investir no marketing de trânsito, colocando placas mais chamativas e chamadas de alerta, avisando que naquele trajeto há BRT, já que as convencionais não estão funcionando. Seria interessante também se existissem atividades lúdicas com as crianças para ensiná-las sobre o comportamento do pedestre no trânsito, porque se a criança for educada, ela transmite isso para os pais. Afinal, o código de trânsito prevê uma verba para educação”, argumenta Rojas.

Segundo o professor de Engenharia de Transportes da Coppe/UFRJ, Paulo Cezar Ribeiro, a ausência de guardas municipais no tráfego, necessário para fiscalizar o comportamento de pedestres e motoristas, facilitaria o fim das constantes infrações no trânsito. “Uma coisa que eu falo há mais de dez anos é que as pessoas não respeitam a sinalização. Se dermos uma volta pela cidade veremos uma quantidade enorme de motoristas infratores, no quesito comportamento, já que não há patrulhamento para fiscalizá-los. Só há radar parar multar por excesso de velocidade”, afirma.

Ribeiro também critica a ausência de um planejamento adequado na infraestrutura do sistema BRT e da integração com outros modais. “Como era o meio de transporte mais barato, rápido e fácil, simplesmente colocaram uma faixa exclusiva na Avenida das Américas para esse modal, construíram uma estação bem simples, e pronto. Não houve planejamento, logo não integrou-se nada”, censurou o especialista.

Informações: Jornal do Brasil
READ MORE - BRT do Rio de Janeiro: Um sistema de transporte que já nasceu com problemas

Volvo entrega 132 ônibus para sistema BRT de Belo Horizonte

A Volvo está entregando, por meio da concessionária Treviso, de Minas Gerais, 192 ônibus que vão circular no BRT (Bus Rapid Transit) de Belo Horizonte (MG). São 89 veículos articulados e 43 convencionais.

Os ônibus vão circular pelos dois primeiros corredores do Move, nome dado ao BRT de Belo Horizonte. A Treviso também está disponibilizando uma estrutura de atendimento aos operadores de transporte.

Todos os articulados são equipados com caixa de câmbio automática, freio a disco e EBS, um sistema de controle eletrônico dos freios. Além disso, possuem controle de aceleração inteligente, exclusivo da Volvo, que permite reduzir o consumo de combustível.

Segundo a montadora, os ônibus convencionais foram desenvolvidos sob medida para a cidade. “Desenvolvemos a melhor configuração para atender às características de transporte da cidade, para que o veículo oferecesse conforto, e fosse robusto e leve ao mesmo tempo”, explica Idam Stival, engenheiro de vendas da Volvo Bus Latin America.

O modelo convencional é produzido em aço especial, possui motor dianteiro, suspensão pneumática, retarder (freio auxiliar), e configuração 4×2. Além disso, possui um entre eixo de 6.300 mm, o que permite veículos com 13,2 metros de comprimento e maior capacidade de passageiro.

READ MORE - Volvo entrega 132 ônibus para sistema BRT de Belo Horizonte

Faixas exclusivas para ônibus serão ampliadas em João Pessoa

A Superintendência da Mobilidade Urbana anunciou que vai ampliar de 2,5 km para 13,2 km a extensão de faixas para o transporte público na capital paraibana O anúncio da Superintendência de Mobilidade Urbana de João Pessoa (Semob) de que vai ampliar de 2,5 km para 13,2 km a extensão de vias com faixas exclusivas para ônibus na capital animou os operadores do sistema de transporte urbano. Isto porque, com os constantes engarrafamentos, principalmente, nos horários de pico, aliado ao crescente número de veículos particulares em circulação, a destinação de faixas exclusivas é a única alternativa para que as empresas possam voltar a cumprir integralmente os horários e quantidade de viagens estipuladas por dia.

Segundo a Semob, a medida faz parte de um termo de ajustamento de conduta (TAC) firmado, na última terça-feira (25), entre o Ministério Público da Paraíba, a Prefeitura e o Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos (Sintur). De acordo com o documento, a previsão era de que fossem implantados faixas exclusivas em sete quilômetros da Epitácio Pessoa, mas a prefeitura incluiu outras vias para que em todo o trecho que vai do cruzamento da Rua Hilda Coutinho com a Epitácio até a General Osório, no Centro, os ônibus tenham prioridade.

Estudos apontam que as vias exclusivas podem diminuir em até 50% o tempo da viagem no transporte público. Atualmente, só existe exclusividade para os ônibus no trecho que compreende o anel interno do Parque Solon de Lucena, no Centro da cidade, passando pelo Terminal de Integração do Varadouro e terminando no cruzamento das ruas Guedes Pereira com General Osório. Com a inclusão da Avenida Getúlio Vargas e partes das ruas Almirante Barroso e Maximiano Figueiredo mais vias da cidade passarão a contar com faixas exclusivas para ônibus.

“Há muito tempo que nós víamos pedindo a ampliação dos trechos com faixas exclusivas, porque as faixas são uma garantia de mobilidade, já há muito tempo perdida pelo ônibus em função dos congestionamentos e do crescente aumento do número de carros particulares nas vias”, argumenta o diretor do consórcio Unitrans, Alberto Pereira. Ele lembra que quanto mais mobilidade tiver o transporte público, em detrimento do veículo particular, mais atrativo será o ônibus. Para Alberto, os 13, 2 km ainda não são suficientes para garantir mobilidade em todas as viagens, mas já significam um avanço para o sistema de transporte público de João Pessoa.

READ MORE - Faixas exclusivas para ônibus serão ampliadas em João Pessoa

Edital de licitação do transporte coletivo de Porto Alegre será publicado nesta segunda

domingo, 30 de março de 2014

A prefeitura de Porto Alegre publica nesta segunda-feira, o edital de licitação do transporte coletivo por ônibus na Capital que será disponibilizado no site da Prefeitura. A publicação do extrato ocorrerá no Diário Oficial de Porto Alegre (DOPA) e em veículos da mídia impressa, de circulação regional e nacional.

A licitação foi construída a partir de contribuições da população nos encontros do Orçamento Participativo (OP), com a participação de cerca de 1.700 pessoas, em 24 reuniões realizadas nas 17 regiões da cidade.

Ar-condiconado 
A inclusão de ar-condicionado em toda a frota foi contemplada no edital. Outra previsão no edital será a redução do número de passageiros por metro quadrado. O edital prevê, também, instrumentos de monitoramento para controle da qualidade do serviço prestado, mediante o cumprimento de metas. O não cumprimento destas metas acarretará a aplicação de penalidades. A bilhetagem eletrônica e a comercialização dos créditos serão gerenciadas pelo poder concedente. As propostas serão recebidas no dia 3, às 10h, na sede da EPTC, rua João Neves da Fontoura nº 7.

O serviço de transporte será dividido em três lotes. Poderão participar empresas de forma isolada ou reunidas em consórcios. As interessadas poderão apresentar proposta em todos os lotes, mas somente poderão ser declaradas vencedoras em um único lote. O critério para escolha do vencedor, em cada lote, será o menor valor da tarifa.

Esta será a primeira licitação na história do transporte coletivo de Porto Alegre, desde a década de 1920, quando foi autorizada a operação de ônibus na Capital. Desde então, o sistema funciona através de permissões. Atualmente são 1.704 ônibus, 400 linhas, operados em três consórcios (STS, Unibus e Conorte), além da empresa pública Carris.

Informações: Correio do Povo


READ MORE - Edital de licitação do transporte coletivo de Porto Alegre será publicado nesta segunda

Tarifa de ônibus entre Cuiabá e Várzea Grande terá redução de R$ 0,15

Os usuários do transporte coletivo entre Cuiabá e Várzea Grande, na região metropolitana da capital, vão pagar menos pela tarifa a partir desta terça-feira (1º). Com a redução de R$ 0,15, a passagem cobrada será de R$ 2,75. A redução atende a um acordo entre o Ministério Público Estadual (Ager), governo do estado e Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados (Ager).

O acordo foi firmado em 2007. O valor menor será cobrado durante 454 dias. Conforme a assessoria da Ager, a redução foi possível por causa de uma lei federal que reduz a contribuição da previdência do empregador, pela redução da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins).

A passagem das linhas intermunicipais subiu para R$ 2,95 em dezembro de 2012. A tarifa foi reajustada em 13,43%, aumentando de R$ 2,60 para R$ 2,90. Na época, a Associação Mato-grossense de Transportadores Urbanos de Mato Grosso (MTU) alegou que o reajuste foi feito por conta do aumento do preço do combustível e da mão de obra.

No trecho, entre as duas cidades, circulam 92 ônibus coletivos que transportam mais de 30 mil passageiros por dia.
No ano passado, também houve alteração no valor da passagem dos ônibus que circulam só no perímetro de Várzea Grande, mas depois voltou a ser o que era antes. De R$ 2,95, a passagem caiu para R$ 2,70 em julho de 2013. Primeiro, já tinha sido reduzida para R$ 2,85 em junho. Depois, a prefeitura da cidade anunciou nova redução após uma avaliação técnica.

Informações: G1 MT

READ MORE - Tarifa de ônibus entre Cuiabá e Várzea Grande terá redução de R$ 0,15

No Recife, Terminal de Santa Rita terá mudanças nos pontos de embarque e desembarque

sexta-feira, 28 de março de 2014

Os usuários que utilizam o Terminal de Passageiros Santa Rita devem ficar atentos as mudanças das paradas existentes no terminal. Para facilitar o deslocamento dos veículos e distribuir melhor os ônibus, além de oferecer mais mobilidade aos usuários, o Consórcio reorganizou os Pontos de Embarque e Desembarque (PEDs) do terminal. A mudança acontecerá a partir desta segunda-feira (31). 

Apenas dez, dos 18 Pontos de Embarque e Desembarque (PEDs), sofrerão mudança no atendimento das linhas. As plataformas A, B e C serão extintas, dando lugar as paradas numeradas de 1 a 18. Contudo, as linhas continuam parando na mesma plataforma de antes.

Para orientar os usuários, a partir das 6h da segunda-feira (31), dez divulgadores estarão no terminal. Além disso, o Grande Recife vai substituir as placas e cartazes de informação em cada ponto de embarque e desembarque. 

Confira a mudança:

A antiga Plataforma A, dará lugar as paradas e suas respectivas linhas:

Parada 12
033 – Aeroporto

Parada 13
061 – Piedade
062 – Jardim Piedade
071 – Candeias

Parada 14
013 – Jardim Beira Rio (Pina)
014 – Brasília (Conde da Boa Vista)
018 – Brasília Teimosa 

Parada 15
031 – Shopping Center (Terminal Residencial Boa Viagem)
044 – Massangana (Boa Vista)

Parada 16
168 – TI Tancredo Neves (Conde da Boa Vista)
121 – Vila da Sudene

Parada 17
191 – Recife/Porto de Galinhas (Nossa Senhora do Ó)
195 -  Recife/Porto de Galinhas (Opcional)

Parada 18
212 – Jardim São Paulo
242 – Pacheco
243 – Vila Dois Caneiros

A antiga Plataforma B, dará lugar as paradas e suas respectivas linhas:

Parada 09
200 – Jaboatão (Parador)

Parada 10
167 – TI Tancredo Neves (IMIP)

Parada 11
107 – Circular (Cabugá/Prefeitura)


A antiga Plataforma C, dará lugar as paradas e suas respectivas linhas:

Parada 01
100 – Circular (Conde da Boa Vista/Prefeitura)
101 – Circular (Conde da Boa Vista/Rua do Sol)
107 - Circular (Cabugá/Prefeitura)
116 - Circular (Príncipe)
117 - Circular (Prefeitura/Cabugá)

Parada 02 
958 – Costa Azul
992 – Pau Amarelo

Parada 03
972 – Bultrins
983 – Rio Doce (Princesa Isabel)

Parada 04
411 – Estrada dos Remédios
611 – Alto José do Pinho
612 – Morro da Conceição
644 – Largo do Maracanã

Parada 05
621 – Alto Treze de Maio
624 – Brejo
632 – Alto do Refúgio

Parada 06
532 – Casa Amarela (Cabugá)
717 – José Amarino dos Reis (PCR)
742 – Linha do Tiro

Parada 07
412 – San Martin (Largo da Paz)
432 – CDU (Várzea)

Parada 08 
185 – TI Cabo
527 – Sitio dos Pintos/IMIP (Joana Bezerra)

Informações: GRCT

READ MORE - No Recife, Terminal de Santa Rita terá mudanças nos pontos de embarque e desembarque

Prefeitura do Rio apresenta protótipo do VLT que circulará no Centro e na Zona Portuária

O prefeito Eduardo Paes apresentou, na manhã desta quinta-feira, o protótipo do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) que circulará no Centro e na Zona Portuária. Ele ficará aberto à visitação pública entre os galpões ferroviários da Gamboa, próximo ao Túnel Ferroviário do Morro da Providência. De acordo com a prefeitura, o objetivo é permitir que a população conheça o novo modelo de transporte - uma espécie de bonde moderno e elétrico.

O VLT vai ter integração para passageiros de barcas, aeroporto, trens, metrô, teleférico, ônibus convencionais e BRTs. O protótipo ficará aberto à visitação, todos os dias da semana, entre 9h e 20h. De acordo com Paes, o primeiro VLT vai entrar em operação no segundo semestre de 2015. A expectativa é que o novo modelo de transporte esteja operando com toda capacidade no primeiro semestre de 2016.

Formado por sete módulos articulados, ele vai circular 24 horas por dia e terá capacidade para transportar 285 mil pessoas diariamente. O sistema compreende 28 quilômetros de percurso e, além dos trilhos por onde o veículo vai passar, a obra abrange a implantação de paradas e sinalização especial para que VLT, carros, ônibus e pedestres possam compartilhar as vias da cidade com segurança.

— O VLT é o transporte de todos os transportes. De tudo que a gente está fazendo, de intervenções de infraestrutura, ele é o mais simbólico para a recuperação do Centro do Rio. A mobilidade é o grande gancho — disse Paes.

Informações: O Globo

READ MORE - Prefeitura do Rio apresenta protótipo do VLT que circulará no Centro e na Zona Portuária

ATP aprova reajuste de R$ 0,15 na passagem de ônibus de Porto Alegre

A Associação dos Transportadores de Passageiros (ATP) aprovou nesta quarta-feira (26) o estudo realizado pela prefeitura de Porto Alegre que sugeriu aumento de 5,66% na passagem de ônibus da Capital. Segundo o gerente executivo da ATP, Luiz Mário Magalhães Sá, a posição da associação é de que o reajuste proposto pela EPTC na terça é razoável. Se for aprovado, a tarifa passará de R$ 2,80 para R$ 2,95. A ATP lamentou, no entanto, a demora para a definição.
Foto: Félix Zucco  / Agencia RBS
"Segundo o cronograma normal, essa tarifa deve vigorar a partir de meados de abril, dois meses e meio depois os novos salários dos rodoviários entrarem em vigor. Portanto, esse prejuízo que as empresas estão tendo em ter que pagar custos novos com tarifa velha é impossível de ser reposto", explicou.

De acordo com a estimativa da ATP, as empresas deixaram de arrecadar R$ 7,5 milhões desde o começo de fevereiro, quando o novo valor da passagem deveria entrar em vigorar em Porto Alegre. A associação reclama de defasagem do valor da tarifa em relação ao aumento no preço dos insumos desde o último reajuste e ao novo salários dos rodoviários.

A proposta de atualização do valor da passagem será avaliada na próxima quarta-feira pelo Conselho Municipal de Transportes Urbanos.

Informações: Portal A Gaúcha


READ MORE - ATP aprova reajuste de R$ 0,15 na passagem de ônibus de Porto Alegre

Santos aposta no VLT como solução para o transporte

Ao contrário de Campinas, onde a retomada do veículo leve sobre trilhos (VLT) parece distante, as obras do primeiro trecho do sistema de transporte na Baixada Santista seguem a todo vapor, e devem ser entregues à população no segundo semestre. Operários das construtoras que integram o consórcio vencedor do contrato se desdobram no trabalho, instalando tubulações pluviais, adequando o terreno para os trilhos, construindo estações, abrindo e pavimentando ruas marginais ao traçado planejado. A previsão é que, no segundo semestre, as composições estejam operando entre os terminais Barreiros (São Vicente) e Conselheiro Nébias (Santos). O sistema, gerenciado pelo governo paulista, promete beneficiar imediatamente 70 mil usuários do transporte público.

A Baixada executa um projeto semelhante ao que começou a ser implantado em Campinas no começo da década de 90, durante o governo Jacó Bittar (PT), mas que acabou desativado. O prefeito Jonas Donizette (PSB) fala em retomar o projeto, compensar o rombo milionário nos cofres públicos, e finalmente dotar a cidade de um sistema de transportes limpo, seguro e eficiente. Esta semana, ele anunciou que vai contratar um estudo de viabilidade econômica que irá apontar qual é o melhor sistema a ser adotado para a cidade, se é o VLT ou um monotrilho.

As obras do VLT da Baixada terão 9,5 quilômetros na primeira etapa, orçada em R$ 313,5 milhões. Os módulos vão correr pela faixa da antiga linha férrea, usando canteiros centrais da região superurbanizada. Serão 11 estações de embarque e desembarque ao longo do trajeto.

De acordo com a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), o investimento total do empreendimento é da ordem de R$ 1 bilhão, sendo R$ 209 milhões destinados ao material rodante e R$ 123 milhões aos sistemas de energia, telecomunicação, arrecadação, controle semafórico e controle das composições, que abrangerão também a ligação entre o Terminal Nébias, o Porto e o Valongo, no Centro Histórico.

A ideia central do projeto é a criação de um sistema com emissão zero de poluentes, integrado com o sistema já existente de ônibus e ciclovias. Quando a reestruturação das linhas intermunicipais e municipais estiver concluída, estima-se que cerca de 220 mil usuários serão beneficiados com mais qualidade de vida e conforto no transporte público. Haverá menos ônibus circulando, menos barulho, e redução no tempo gasto nas viagens.

Novas modalidades 
O projeto do VLT promete atenuar o trânsito saturado. Hoje, 95% dos moradores da cidade residem nos 39 quilômetros quadrados da Ilha de São Vicente. A região, verticalizada, possui um dos maiores índices nacionais de motorização. Há um carro para cada 1,4 habitante. Além disso, pelo menos 6 mil caminhões circulam diariamente pela região central em direção ao porto, segundo dados da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

De acordo com Antônio Carlos Silva Gonçalves, presidente da CET, o VLT ganha um papel estratégico neste cenário. As atuais linhas circulares de ônibus serão substituídas por troncos. Ou seja, o VLT interliga os pontos finais dos coletivos. “Não vai mais existir o ônibus que sai de um ponto, dá a volta na cidade toda, e volta ao mesmo ponto. Vamos reduzir sensivelmente o tempo do trajeto entre uma cidade e outra”, fala. 

Gonçalves informa, também, que o sistema só tem a lucrar com as etapas futuras do projeto. O Terminal Barreiros, em São Vicente, por exemplo, será ligado à cidade de Praia Grande por meio do Bus Rapid Transit (BRT). O sistema integrado vai se expandir por toda a região metropolitana da Baixada.

Informações: Correio RAC

Leia também sobre:
READ MORE - Santos aposta no VLT como solução para o transporte

Governo da Bahia anuncia investimentos de R$ 1,3 bilhão em mobilidade urbana

A ordem de serviço para dois corredores transversais que vão impactar diretamente na vida dos baianos será assinada nessa quinta-feira (27/3), às 10h, pelo governador Jaques Wagner assina, no Centro de Convenções, em Salvador. 

As obras vão ligar a Suburbana e a BR-324 à Orla Atlântica e melhorar a mobilidade urbana em Salvador a partir da construção de viadutos e novos corredores de tráfego, que têm prazo de execução previsto de 36 meses e custo de R$ 1,3 bilhão, parte significativa dos R$ 7,7 bilhões investidos pelo governo para melhor o fluxo na capital baiana.

Corredor Transversal I
A primeira etapa do Corredor I se encontra em fase de execução através da duplicação da Avenida Pinto de Aguiar, em Pituaçu, ligando a orla à Avenida Luís Viana Filho (Paralela). A continuidade se dará com a ampliação da Avenida Gal Costa, que se estende até o bairro Capelinha, incluindo a construção de três faixas por sentido, três viadutos e dois túneis.
Haverá a implantação de ciclovia com 6,5 km de extensão, além da macro-drenagem dos rios Camurugipe e Pituaçu. A conclusão do Corredor I, que terá aproximadamente 13 quilômetros, se dará com a requalificação do trecho que vai de Pirajá até a Avenida Suburbana, no bairro Lobato, prevendo a construção de mais seis viadutos, dois túneis e duas faixas em ambos os sentidos.

Corredor Transversal II
A futura Avenida 29 de Março, que recebe este nome em homenagem à data de fundação de Salvador, vai abranger um canal de tráfego de 12 quilômetros, a partir da Avenida Orlando Gomes, em Piatã, passando pelo Parque Tecnológico da Bahia e Alphaville 2 e prosseguindo pelo Vale do Rio Jaguaribe e Via Regional até a região de Águas Claras. Será uma ligação da BR-324 com a Avenida Paralela e a orla marítima.

Chegando a Águas Claras, nas imediações do viaduto da BA-528, via de acesso ao Porto de Aratu, Base Naval e zona suburbana, a nova avenida passará a ser, em sentido inverso, um corredor praticamente expresso entre a BR-324 e a Paralela, evitando trechos como Iguatemi e Estação Rodoviária, áreas diariamente congestionadas da cidade.

O bairro das Cajazeiras também se beneficiará com a obra graças a outros serviços que facilitarão o fluxo de tráfego em toda sua área de influência, notadamente com intervenções na Avenida Artêmio Valente (Barradão).

Ciclovia e áreas verdes
Na construção da Avenida 29 de Março serão investidos mais de R$ 580 milhões. Tanto no trecho da Avenida Orlando Gomes como da Avenida 29 de Março haverá pistas duplas com três faixas por sentido, ciclovias, iluminação e áreas gramadas. Dois viadutos e uma ponte serão construídos no trecho da Orlando Gomes, enquanto na Avenida 29 de Março haverá quatro viadutos e quatro pontes.

O projeto ainda inclui a implantação de áreas verdes e a requalificação do sistema de iluminação pública, além de ações sociais que vão assistir a mais de 2 mil famílias, incluindo a desapropriação de cerca de mil imóveis.

As intervenções foram pensadas para beneficiar toda a cidade, retirando gargalos e construindo percursos mais simples e mais rápidos. Os corredores são um novo marco no transporte urbano da cidade, integrando as linhas 1 e 2 do metrô, ciclofaixas e corredores exclusivos de ônibus.

Os corredores transversais são as primeiras ligações diretas e de alta capacidade entre zonas da cidade que sempre viveram separadas: a Suburbana, o miolo e a orla. Por exemplo, quem mora no Lobato ou na Plataforma, chegará ao metrô em menos de cinco minutos e ao Parque de Pituaçu em menos de 30. Eles terão pista dupla, com três faixas por sentido, sendo uma exclusiva para o transporte de massa.

A nova Avenida Pinto de Aguiar passa a ter seis faixas, sendo três em cada sentido, além das ciclovias e vias exclusivas para ônibus. A previsão de inauguração é em julho deste ano (2014).

Complexo Viário Imbuí-Narandiba
Além dos corredores transversais, o governo está construindo o Complexo Viário Imbuí-Narandiba, com dois viadutos, que já tem mais 60% da obra executada, juntamente com a ligação da Avenida Luis Eduardo Magalhães à Estrada do Curralinho, que vai facilitar o acesso ao Stiep e à Boca do Rio, e a alça de ligação da BR-324 com a mesma avenida, que será entregue ainda este mês à população.

Somadas à Via Expressa e ao funcionamento do metrô, em junho, a expectativa é de que os serviços em andamento melhorem o trânsito em diversas áreas da cidade, ampliando as possibilidades de negócio e a qualidade de vida dos baianos.

Informações: Tribuna da Bahia


READ MORE - Governo da Bahia anuncia investimentos de R$ 1,3 bilhão em mobilidade urbana

Usuários de ônibus comemoram resultado do BRS Manaus

Depois de um mês e meio da instalação das faixas exclusivas de circulação do sistema Bus Rapid Service (BRS), localizadas na avenida Constantino Nery, usuários de 10 linhas que atendem as Zonas Norte e Leste avaliam que é muito cedo falar de melhoria nas condições do transporte, mas reconhecem a redução no tempo das viagens.

O grande problema é que faixas exclusivas do BRS ainda não estão funcionando corretamente. Segundo o comerciante Túlio Araújo, 47, em alguns trechos as obras não foram concluídas e não há qualquer respeito por parte dos motoristas de veículos de passeios e cargas.


A faixa da esquerda, que deve ser exclusiva para os ônibus, é invadida várias vezes por condutores de outros veículos, deixando os motoristas irritados. Um motorista que pediu para não ter o nome revelado disse que se até hoje algum motorista saiu ou entrou na faixa exclusiva não é por falta de informação. “Estamos trabalhando isso há mais de um mês e, apesar de não ter fiscalização, todos sabem que essa faixas são exclusivas para certas linhas de ônibus articulados ”, disse o motorista.

Apesar do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans), afirmar que agentes de trânsito estão diariamente ao longo da Constantino Nery para orientar condutores flagrados circulando dentro da faixa exclusiva, a população diz que não existe qualquer orientação ou impedimento de carros não autorizados circularem nelas. A auxiliar administrativa Bianca Corrêa, 21, moradora do bairro rio Piorini, Zona Norte, afirma que os carros entram e atrapalham a circulação rápida. “Às vezes fica aquela fila enorme e não aparece nenhum carro do Manaustrans para mandar os particulares sairem da faixa do BRS”. afirmou.

Tempo

Os moradores da comunidade Igarapé do Passarinho, no Rio Piorini, dizem que depois da implantação do BRS o tempo de viagem melhou, mas ainda assim eles consideram essa melhora insuficiente. A cabeleireira Joana Lima, 70, contou que antes saia de casa para ir ao centro e a viagem demorava duas horas até chegar ao destino. “Agora com o BRS estou chegando em uma hora e meia, às vezes até menos, mas acho que esta faltando respeito dos outros motoristas (dos particulares) e mais orientação para o povo sobre essa faixa”. disse.

O diretor-presidente da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), Pedro Carvalho, lembrou que o sistema BRS ainda está em fase de implantação e todas as adequações necessárias para aprimorá-lo estão sendo realizadas. Carvalho também destacou a importância da implantação dele para melhorar a mobilidade urbana em Manaus. “A frota de ônibus coletivos representa apenas 2,5% de toda a frota de veículos da cidade. Esses 2,5%, no entanto, transportam 60% da população. Os dados devem nos fazer refletir e nos fazer entender que os ônibus do transporte coletivo precisam ter prioridade porque transportam mais pessoas”, concluiu.

Informações: A Crítica
READ MORE - Usuários de ônibus comemoram resultado do BRS Manaus

No Distrito Federal, Renovação da frota de ônibus entra em sua fase final

A frota de ônibus do Distrito Federal entrou em sua fase final de renovação total. Mais 65 novos veículos foram entregues em Samambaia e Recanto das Emas, nesta sexta-feira (21), chegando à marca de 2.151 coletivos, de um total de 2.580.

 "Numa segunda fase, quando concluirmos toda a renovação, vamos ajustar as linhas e fazer controle rigoroso do horário. A renovação é só um passo preliminar, mas indispensável. Depois teremos novidades importantes, como colocar internet no ônibus", disse o governador Agnelo Queiroz, que participou da entrega dos novos coletivos.

Os novos ônibus, da empresa Urbi, começam a circular neste domingo (23). Samambaia receberá 17 coletivos articulados e 27 micro-ônibus. No Recanto das Emas, serão 21 veículos convencionais. Ao todo, a empresa disponibilizará 483 ônibus para rodar no Núcleo Bandeirante, Samambaia, Recanto das Emas e Riacho Fundo I e II.

A próxima cidade a renovar a frota será o Gama. Já receberam veículos novos: Brazlândia, Candangolândia, Cidade Estrutural, Cruzeiro, Fercal, Guará, Itapoã, Núcleo Bandeirante, Paranoá, Planaltina, Plano Piloto, Riacho Fundo I e II, Samambaia, Santa Maria, São Sebastião, Sobradinho I e II e Varjão.

Os novos coletivos emitem 180 vezes menos partículas poluentes do que os atuais; têm monitoramento via GPS; aviso sonoro ao motorista sobre ocorrências, como porta aberta e velocidade acima do permitido; monitores de TV, ar condicionado e câmbio automático; aviso luminoso traseiro da velocidade do veículo; piso baixo ou piso normal equipado com elevador ou plataforma de embarque e desembarque para pessoas com deficiência; piso interno antiderrapante; portas mais largas; bancos e encostos de cabeça estofados; e lixeira.

Motoristas – Agnelo afirmou que o GDF assumiu o compromisso de absorver todos os motoristas que trabalhavam nas empresas de transporte público que atuavam anteriormente no DF. "Faltam 700 motoristas para garantir o processo com grande êxito. Estamos conseguindo manter o emprego de 12 mil trabalhadores", completou.

Questionado sobre as manifestações no Entorno em razão do transporte público da região, o governador afirmou que se colocou à disposição da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e do governo de Goiás para ajudar no que for possível. "Estamos à disposição, dentro do nosso limite, para atender, tanto tecnicamente como com recursos humanos", disse.

Fonte: Agência Brasília

READ MORE - No Distrito Federal, Renovação da frota de ônibus entra em sua fase final

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960