Linha 6-Laranja do Metrô-SP deverá ficar pronta em 2020, prevê Alckmin

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

As obras da Linha 6-Laranja do Metrô de São Paulo, que vai ligar a Brasilândia, na Zona Norte, até a estação São Joaquim, na região central, devem começar no início do próximo ano e ficar prontas somente em 2020. A expectativa inicial do governo era que as obras fossem iniciadas neste ano. A informação foi dada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) durante o lançamento do edital da concorrência internacional das obras de implantação, operação e manutenção da Linha 6, no final da manhã desta quarta-feira (30), na capital.

As propostas das empresas ou consórcios interessados em participar do edital devem ser entregues em 90 dias e o contrato deve ser assinado até o mês de julho. “O prazo contratual é de seis anos, mas achamos que podem ser feitas em quatro anos. As estações serão entregues e vão operar assim que ficarem prontas”, disse Alckmin.

Nesta terça-feira (29), o Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema) aprovou por unanimidade o estudo e o relatório de impacto ambiental (EIA/Rima) do empreendimento e concedeu a licença ambiental.

O vice-governador, Guilherme Afif Domingos, viajou a Londres nesta semana para se encontrar com empresários e tentar atrair parceiros. A Linha 6-Laranja será construída por meio de uma PPP (parceria público-privada), que é um contrato de prestação de serviços ou obras. As empresas são pagas diretamente pelo governo para realizar uma tarefa, no caso, construir a linha de metrô. Podem ainda obter parte de seu retorno financeiro explorando o serviço - no caso do Metrô, ficam com parte do dinheiro pago pelos usuários.

Serão desembolsados R$ 700 milhões com desapropriações de imóveis para a construção da linha. Os proprietários de 406 imóveis da Freguesia do Ó, Lapa, Barra Funda, Perdizes, Consolação, Bela Vista e Liberdade, já foram notificados sobre as desapropriações, que serão feitas pela consórcio vencedor da licitação.

O investimento previsto para a linha é de R$ 7,8 bilhões - metade disso sairá dos cofres do estado, e a outra metade, das empresas que firmarem a PPP.

Trajeto
Na sua primeira fase, a Linha 6-Laranja ligará a estação São Joaquim, já existente na Linha 1-Azul, à futura estação a ser construída no bairro de Vila Brasilândia. A linha passará por bairros como Sumaré e Higienópolis - uma estação que ficaria na Avenida Angélica encontrou resistência dos moradores locais.

O trajeto terá 15,9 km incluindo pátios e 15 estações: Brasilândia, Vila Cardoso, Itaberaba - Hospital Vila Penteado, João Paulo I, Freguesia do Ó, Santa Marina, Água Branca, Pompéia, Perdizes, Cardoso de Almeida, Angélica - Pacaembu, Higienópolis - Mackenzie, 14 Bis, Bela Vista e São Joaquim. O governo projeta que 29 trens irão atuar ao longo do percurso. Ela fará conexão com outras linhas da CPTM e do Metrô, com a Linha 4-Amarela.

A intenção do Metrô é, posteriormente, aumentar em linha a partir da Estação São Joaquim em direção à Zona Leste, passando por estações como a Mooca, da CPTM, e chegando até o bairro de Cidade Líder. A outra ponta, que inicialmente vai até a Brasilândia, também será estendida até a região da Rodovia dos Bandeirantes, passando pelo futuro centro de convenções de Pirituba, o Piritubão.



Por Tatiana Santiago
READ MORE - Linha 6-Laranja do Metrô-SP deverá ficar pronta em 2020, prevê Alckmin

Aplicativo para transporte público, chega a 15.000 usuários em São Paulo

O Moovit, aplicativo gratuito para usuários de transporte público, conquistou em apenas seis semanas após seu lançamento 15.000 usuários em São Paulo! O aplicativo foi lançado em meados de dezembro em São Paulo e logo deve expandir seu serviço gratuito a outras cidades brasileiras.

 “Além do crescimento acelerado no número de novos usuários, o uso do Moovit tem crescido diariamente de modo impressionante”, diz Nir Erez, CEO do Moovit. “A crescente contribuição dos dados de passageiros sobre suas viagens beneficia todos os usuários do Moovit em São Paulo”, conclui Nir, acrescentando que o Moovit espera alcançar 500.000 usuários no Brasil ao final deste ano.

Sobre o Moovit

O Moovit é um aplicativo móvel gratuito que revoluciona o modo com que as pessoas lidam com o transporte público. Ao combinar dados em tempo real originários do crowdsourcing com horários disponíveis de transporte, o Moovit dá aos viajantes, a cada minuto, um panorama de como será sua viagem. O Moovit é um projeto cooperativo, liderado pela comunidade. Basta andar com o aplicativo ligado que os usuários já estarão contribuindo com dados ao vivo para a comunidade, e enviando relatórios sobre a lotação, competência do motorista e motivos para atrasos. Quanto mais pessoas usarem o Moovit, mais dados em tempo real sobre ônibus, metrôs e trens surgirão. Esses dados, fornecem a todos melhores estimativas do horário de chegada e planos de rota!

O Moovit foi fundado em 2011 em Israel por três renomados experts em tecnologia, engenharia e transporte público. Desde seu lançamento, em 2012, o aplicativo  já conquistou cerca de 500 mil usuários  tornando-se uma referência internacional em proporcionar viagens na cidade,  livres de aborrecimento e mais prazerosas. Atualmente o Moovit está disponível em 25 cidades e regiões do mundo, incluindo Roma, Madri, Países Baixos, Nova York, São Francisco, Chicago e Boston. O primeiro lançamento do Moovit na América Latina foi em São Paulo, Brasil, onde ele já reuniu mais de 15 mil usuários em seis semanas! O Rio de Janeiro será o próximo local de lançamento do Moovit no país. Para mais informações: http://www.moovitapp.com/pt-br/


READ MORE - Aplicativo para transporte público, chega a 15.000 usuários em São Paulo

Em BH, Terminais metropolitanos serão integrados ao sistema BRT na capital

Imagine gastar, de ônibus, 30 minutos de Contagem ou Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, até o Centro da capital, e também tirar 160 ônibus de circulação do Hipercentro em horário de pico. Isso é o que promete o governo do estado, que anunciou ontem a construção e reforma de 13 terminais de ônibus na Grande BH. Além dos três municípios, haverá estações em Vespasiano, Ribeirão das Neves, Ibirité e Sarzedo. A previsão é de que o novo sistema de transporte metropolitano, que vai custar R$ 187 milhões, comece a operar no início do ano que vem e esteja concluído até o fim de 2014. O projeto, na capital, prevê a reforma dos terminais de integração Vilarinho, São Gabriel e da atual rodoviária e a construção do terminal Bernardo Monteiro, na região hospitalar.

Em vez de ir de ônibus direto dos bairros para o Centro de BH, os passageiros vão, com linhas convencionais, até os terminais metropolitanos de integração. Lá, eles vão embarcar em linhas especiais que podem ou ir direto até o Centro da capital, em linhas expressas, ou parar ao longo do caminho, em linhas semiexpressas. Sete dessas estações vão ser integradas ao sistema do BRT (transporte rápido por ônibus) da capital mineira, em implantação nos corredores das avenidas Antônio Carlos e Pedro I e Cristiano Machado, exclusivos para os coletivos.

Mas, mesmo aqueles terminais que não forem vinculados ao BRT já adotarão características desse sistema, como o pagamento da passagem antes de usar o transporte, além do embarque em nível – sem que seja necessário subir degraus para entrar no veículo. As estações vão contar  com painéis informatizados, atualizados com os horários de chegada e partida de cada linha. Os terminais integrados ao BRT contarão ainda com ônibus articulados, com maior capacidade de passageiros. “A conurbação metropolitana que se espalha sem controle apresenta uma nova realidade. Com a licitação e as obras de 13 terminais de ônibus, vamos permitir uma mobilidade urbana melhor”, afirmou o governador Antonio Anastasia.

Fluidez

Atualmente, a rede metropolitana de transporte conta com 740 linhas e 3 mil ônibus. A estimativa é de nos horários de pico 1 mil ônibus metropolitanos circulem no Centro de BH. Com as mudanças, esse número deve cair 16%, passando para 840 veículos, de acordo com a Secretaria de Estado de Transporte e Obras Públicas (Setop). Outra vantagem do sistema, que vai atender uma média diária de 700 mil usuários, é que haverá linhas que ligarão um terminal a outro. Quem sai de Contagem, por esemplo, poderá chegar ao terminal São Gabriel sem a necessidade de trocar de ônibus no Centro de BH

O sistema vai permitir encurtar os percursos dos municípios do entorno até a capital, ganhando agilidade. Sem as linhas antigas que vinham para BH, a previsão  é de aumentar em cinco vezes a oferta de ônibus dentro das cidades da RMBH. O prefeito de Santa Luzia, Carlos Alberto Calixto, recebeu com animação a notícia da construção dos terminais. “Mais de 70 linhas saem hoje de Santa Luzia e causam grande transtorno na Linha Verde. São pelo menos dois quilômetros de coletivos apenas de Santa Luzia. Durante o dia, essas linhas funcionam ociosas”, disse.

O projeto dos terminais metropolitanos de integração prevê também o investimento de R$ 200 milhões pelas empresas concessionárias de ônibus para a compra de ônibus adequados às novas estações. Serão adquiridos 150 veículos, todos com ar-condicionado, GPS, painéis informativos e avisos sonoros para orientar passageiros sobre as paradas. De acordo com o presidente da BHTrans, Ramon Victor Cesar, por enquanto as estações metropolitanas serão separadas das linhas municipais. “Enquanto não houver a integração tarifária não podemos unificar as passagens”, explicou.

As novas estações

BH
» São Gabriel*
» Terminal Rodoviário Governador Israel Pinheiro (Tergip)*
» Bernardo Monteiro*

Contagem
» Darcy Ribeiro
» Cidade Industrial
» São Joaquim

Vespasiano
» Morro Alto*

Santa Luzia
» São Benedito*

Ribeirão das Neves
» Jardim Colonial*
» Justinópolis*

Ibirité
» Ibirité

Sarzedo
» Sarzedo

* Terminais vinculados ao BRT

Enquanto isso, consulta prorrogada

Foi prorrogada até 5 de março a consulta pública aberta em dezembro para ouvir a comunidade e os interessados na parceria público-privada (PPP) para a construção do metrô. O processo estava previsto para ser encerrado em janeiro. Ontem, o governador Antonio Anastasia disse acreditar que a PPP terá muitos interessados e que, pelo cronograma, parte da operação do metrô já se daria talvez no início do ano que vem. Com a prorrogação da consulta, no entanto, os atrasos se propagam na abertura da licitação e no início das obras das três linhas, orçadas em R$ 3,1 bilhões. Sobre o trecho da Linha 3 (Savassi/Lagoinha), o governador foi mais realista com o cronograma. “A linha subterrânea, que vai passar sob  Centro da cidade, essa, até pela dimensão, vai demorar um pouco mais”, afirmou o governador. Comentários e sugestões para a consulta pública podem ser enviados para  metrormbh@transportes.mg.gov.br.

Informações: Estado de Minas

READ MORE - Em BH, Terminais metropolitanos serão integrados ao sistema BRT na capital

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960