Em BH, Passagem de ônibus subiu 110% em dez anos, e serviço segue ruim

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Em 2003, o usuário do transporte coletivo da capital mineira desembolsava R$ 1,45 ao fazer uma viagem de ônibus. Para rodar pela região metropolitana, o passageiro não gastava mais que R$ 1,64. Mais de dez anos se passaram, e esses valores subiram 93% em Belo Horizonte e 110% nas linhas metropolitanas - reajustes bem superiores à inflação no período, de 76,6%. Em contrapartida, as reclamações dos usuários são as mesmas até hoje. Eles se queixam dos constantes atrasos e de superlotação. Para agravar a situação, a frota da capital cresceu apenas 7% a partir de 2003 e, no transporte metropolitano, o aumento foi de 41%.

Além de conviver com o preço alto da passagem e com a falta de qualidade, nos últimos dez anos, os passageiros também receberam do poder público uma série de promessas que não saíram do papel. Um dos principais exemplos é o Sistema Inteligente de Transporte por Ônibus (Sitbus). Por meio do rastreamento via satélite dos ônibus e de painéis eletrônicos instalados nos pontos de ônibus, os usuários saberiam o instante em que os veículos chegariam. Foram prometidos, para dezembro de 2011, 600 equipamentos, mas, até agora, somente 21 estão em funcionamento, de acordo com a Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans).
Em 2011, também foi prometida a instalação de contadores de passageiros nos veículos, mas o projeto ainda não saiu da fase de testes. A intenção era que uma luz avisasse o motorista quando os ônibus atingissem a capacidade máxima, evitando a superlotação. "Por se tratar de tecnologia ainda em avaliação por diversos fornecedores, as várias opções estão sendo apresentadas, avaliadas e discutidas", informa a BHTrans, por meio de nota.

Para a auxiliar de limpeza Euza Inácio Silvestre, 49, a demora dos ônibus e a superlotação não são os maiores problemas. "Não posso levar meus filhos para passear no fim de semana porque é muito caro. Se eu tiro essas passagens do meu cartão, tenho que repor", conta.

O estudante Thiago Ferreira Silva, 22, usa com frequência as linhas da região Centro-Sul. "Os ônibus demoram demais. Antes, eram os ônibus das avenidas principais que enchiam, mas hoje as linhas já estão lotadas nos bairros", reclama. Thiago também diz que os abrigos em pontos de ônibus são insuficientes e que não protegem da chuva e do sol. A BHTrans afirma que 438 abrigos foram instalados em 2012 e que Belo Horizonte possui hoje 2.112 pontos com cobertura.

Mobilidade. A presidente da Associação dos Usuários de Transporte Coletivo de Belo Horizonte (AUTC), Gislene Gonçalves dos Reis, afirma que o valor da passagem penaliza a população e destaca que, entre os problemas, ainda está a falta de elevadores para portadores de deficiência. Por lei, toda a frota da BHTrans deveria ter o equipamento desde novembro de 2011. "Só 6% dos ônibus têm elevadores. É uma falta de respeito", diz. Do outro lado, a prefeitura afirma que 77% da frota da capital possui o equipamento. Já a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop) diz que 54,4% dos ônibus metropolitanos têm elevadores.

Especialistas criticam preço e qualidade do transporte
A tarifa do transporte coletivo envolve gastos com vários itens, entre eles, funcionários, manutenção dos ônibus e combustível. Mas, para o professor do departamento de engenharia de transportes da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Dimas Alberto Gazolla, esse valor não se justifica em Belo Horizonte. "É realmente muito alta. A ONU recomenda que o peso da tarifa de transporte de um cidadão não exceda 3% do salário. No caso de BH, a tarifa passa dos 30% do salário mínimo", diz.

Para o professor Juan Carlos Horta, do departamento de mecânica da UFMG, a qualidade do transporte oferecido também não condiz com o valor da passagem. "O conforto dos nossos ônibus é ruim se comparado com cidades europeias e até do Japão. Aqui, os ônibus são, na verdade, chassis de caminhões encarroçados como ônibus. E muitos não são adequados para a nossa topografia", avalia. (JHC)

Por Johnatan Castro
Informações: O Tempo Online
READ MORE - Em BH, Passagem de ônibus subiu 110% em dez anos, e serviço segue ruim

Prefeito do Recife quer agilizar obras de mobilidade urbana

Brasília - O prefeito do Recife, Geraldo Júlio, foi recebido hoje (23) pela presidenta Dilma Rousseff, e saiu da reunião dizendo que espera agilizar a assinatura de contratos de obras de infraestrutura na capital pernambucana. Segundo Júlio, as prioridades são obras de mobilidade urbana, que incluem a implantação de corredores viários em avenidas importantes da cidade.
A 4ª perimetral já está incluída no projeto do governo do estado , que já dispõe de recursos para a  implantação do corredor BRT no contorno da BR-101.

“Nossa audiência foi sobre parcerias já existentes entre o governo federal e a prefeitura municipal, a situação e o andamento do PAC [Programa de Aceleração do Crescimento] na cidade e projetos novos que poderão ser assinados neste primeiro semestre. E uma conversa também sobre o desenvolvimento da cidade e as necessidades que vamos ter para implantar nosso programa de governo para a cidade do Recife”, relatou o prefeito, após o encontro de uma hora e meia com a presidenta.
Dilma pediu “atenção especial” para as obras relacionadas à Copa das Confederações e à Copa do Mundo de 2014, segundo o prefeito. “Atenção especial com tudo relacionado à Copa do Mundo, pede que a gente tenha cuidado com os prazos e que tudo aconteça dentro do esperado”.

Júlio é o quarto prefeito que Dilma recebe no Palácio do Planalto desde a semana passada. Ainda hoje, o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, também terá audiência com a presidenta.

Na próxima semana, o governo federal vai receber prefeitos, vice-prefeitos, vereadores e assessores dos 5.568 municípios para um encontro em Brasília. Segundo a Secretaria de Relações Institucionais (SRI),  que coordena o evento, o objetivo do encontro é “estabelecer parcerias entre a União e os municípios para promover o crescimento econômico do país com inclusão social, equilíbrio ambiental e participação cidadã”.

Durante o evento, o governo federal apresentará aos gestores municipais os principais programas com impacto na vida dos municípios brasileiros, como o Brasil sem Miséria, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) e a Política Nacional de Recursos Sólidos e de Saneamento.

Na avaliação de Geraldo Júlio, a aproximação entre a União e as administrações municipais beneficia o desenvolvimento das cidades. “Essa aproximação é importante para que os municípios ampliem o acesso que tem ao governo federal e possam fazer ações e obras de maneira mais rápida”.

Luana Lourenço
READ MORE - Prefeito do Recife quer agilizar obras de mobilidade urbana

Bilhete Único de São Paulo ganhará validadores biométricos

O Bilhete Único, sistema de bilhetagem eletrônica usado no metrô, ônibus e trens da cidade de São Paulo, ganhará validadores biométricos.

Estas máquinas serão instaladas na frota no segundo semestre de 2013. A data foi confirmada ontem pelo secretário Municipal de Transportes, Jilmar Tatto, durante o evento que reuniu também o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), e o governador Geraldo Alckmin (PSDB).

No novo sistema, os passageiros terão de encostar a mão no validador antes de aproximar o cartão da leitora. A coleta das digitais será feita a partir de abril deste ano pela prefeitura.

A biometria ajudará a evitar as fraudes feitas com os atuais cartões do Bilhete Único. Em fevereiro de 2012, um pesquisador descobriu uma falha que permitia clonar créditos dos cartões em poucos segundos.

Há também denúncias de pessoas que alugam o cartão durante o período de integração gratuita de quatro viagens em até três horas. O retorno do item é feito pela janela do automóvel e os donos dos cartões recebem uma quantia abaixo do preço da tarifa oficial.

O cadastro dos dados biométricos é facultativo, mas obrigatório para os interessados em usar o Bilhete Único Mensal, projeto divulgado durante a campanha de Haddad à prefeitura de São Paulo. A alteração das regras de uso permitirá, por exemplo, usar os ônibus municipais sem limite de viagens durante 30 dias.

Este pacote custará 140 reais. Já para estudantes, o serviço custará 70 reais. Para usar o ônibus, metrô e trens, a tarifa será de 280 reais. A quantia ainda pode sofrer alterações.

READ MORE - Bilhete Único de São Paulo ganhará validadores biométricos

Metrô DF vai ampliar horário de funcionamento durante o carnaval

A direção do Metrô do Distrito Federal divulgou nesta quarta-feira (23) o esquema de funcionamento dos trens para o carnaval 2013. O esquema vai começar a funcionar a partir das 5h da sexta-feira de carnaval e vai até as 2h da quarta-feira de cinzas.

Segundo a direção do metrô, os trens vão circular em horário estendido até meia-noite. A estação Central ficará aberta até as 2h para embarque e desembarque. O esquema será o mesmo adotado na  festa de réveillon na Esplanada dos Ministérios.

Nesta quinta, o Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTRans) vai divulgar o esquema especial de ônibus para atender os foliões.

O GDF anunciou que a montagem da estrutura da passarela do samba, no estacionamento do Ginásio Nilson Nelson, começa a ser feita a partir do próximo sábado. Haverá arquibancadas para 10 mil foliões além de camarotes e praça de alimentação.

O presidente da União das Escolas de Samba de Brasília, Gelmar Leite, disse que a expectativa é que 100 mil pessoas participem dos desfiles.

READ MORE - Metrô DF vai ampliar horário de funcionamento durante o carnaval

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960