Em São Paulo, Ranking classifica empresas de ônibus relacionando o número de reclamações

terça-feira, 16 de julho de 2013

Os protestos contra o aumento da passagem de ônibus, ocorridos em junho em todo Brasil, geraram resultados em São Paulo que vão além da revogação do aumento: a Câmara Municipal instalou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as planilhas de custos das companhias com a prefeitura, que há duas semanas cancelou o processo de licitação para renovar os convênios. Os contratos, que vencem no dia 17, foram prorrogados por um ano.

Até lá, a prefeitura vai avaliar o desempenho dos consórcios, que, juntos, devem abocanhar R$ 46 bilhões em 15 anos. Pressionada pelo Ministério Público, a SPTrans, empresa que gere a operação das linhas, formulou um ranking – a que o iG teve acesso – com o desempenho de cada uma.
Rafael Brito/Futura Press
A lista foi dividida entre as empresas permissionárias e concessionárias, entre as companhias que levam a população da Região Metropolitana para os subcentros da capital (por meio de vans e micro-ônibus) e aquelas que recolhem esses passageiros para levá-los até o centro expandido. As empresas foram classificadas de acordo com o número de reclamações recebidas em relação ao volume de passageiros transportados.


As reclamações mais comuns são: superlotação, comportamento inadequado dos condutores, falta de paradas nos pontos, intervalo excessivo entre ônibus da mesma linha, más condições dos pontos e não realização de partidas.

Na lista das 16 empresas concessionárias, a Expandir – que pertence ao Consórcio Plus – é a campeã de reclamações. Responsável por levar a população da zona nordeste (entre a zona leste e a cidade de Guarulhos) para o centro, a companhia teve uma média de 112 denúncias por mês no ano passado, segundo o levantamento. Este ano, o pico de queixas foi em janeiro (214). Em abril, o número caiu para 59 e voltou a subir para 120 em maio, longe da meta de 31 queixas mensais estipulada pela SPTrans.

Na sequencia, aparece a Oak Tree (Consórcio Sudoeste), que circula na zona oeste. Ela apresentou média de 88 reclamações no ano passado, pico de 155 queixas em março deste ano e meta de 28. O bronze ficou com a Novo Horizonte (Consórcio Leste 4), com média de 1072 reclamações em 2012. Como é uma das maiores frotas da cidade, a meta é que as reclamações mensais não passem de 262.

No lado oposto da lista aparece a Transkuba, a concessionária mais bem avaliada. Atuante na região sudoeste, sua meta é de 117 reclamações por mês, mas em maio último ela havia recebido 104 queixas. Ela é seguida pela Gatusa e Campo Belo, que servem a mesma região.

Entre as vãs e micro-ônibus, a empresa Nova Aliança está na primeira e na terceira colocações no ranking de reclamações. Isso ocorre porque ela atua nas regiões nordeste e sudoeste. A Fenix aparece na segunda e quarta posições, com veículos no norte e noroeste de São Paulo, enquanto a Cooperlíder, com atuação na zona sul, ocupa a terceira posição. (Confira a tabela completa abaixo).

Prestação de Contas

O levantamento foi organizado pela SPTrans, que desde o dia 28 de junho se comprometeu a se reunir uma vez por mês com o Ministério Público e com representantes das concessionárias e permissionárias para debater as queixas e traçar soluções para melhorar o transporte público. “A intenção é reduzir as reclamações ao longo do tempo”, afirma o promotor Saad Mazloum, que participou do encontro. “As companhias se comprometeram a apresentar soluções para as queixas mais frequentes.”

Veja o ranking completo: 

Concessão

Expandir 
Oak Tree 
Novo Horizonte 
VIP ´ 
Ambiental 
Via Sul 
VIP 
Sambaiba 
Transppass 
Mobibrasil 
Gato Preto 
VIP
Santa Brígida 
Cidade Dutra 
Tupi 
Gato Preto 
Campo Belo 
Gatusa 
Transkuba

Permissão

Nova Aliança 
Fenix 
Nova Aliança 
Fenix 
CooperLíder 
Unicoopers 
Transcooper 
Transcooper 
CooperPam 
Transcooper 
Cooperalfa 
Coopertranse 
Associação Paulistana 
CooperPam

Informações: Ultimo Segundo

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960