BRT Transbrasil tem licitação marcada para o dia 13 de junho

terça-feira, 11 de junho de 2013

A única linha de BRT no Rio de Janeiro sem obras está com a licitação marcada. No próximo dia 13, ocorrerá o processo licitatório do corredor expresso Transbrasil. A etapa será dividida em dois lotes: o primeiro entre o Aeroporto Santos Dumont e a ligação do BRT Transcarioca na Ilha do Governador; e o segundo da Ilha do Governador até o bairro Deodoro. As obras estão estimadas em R$ 785,5 milhões e R$ 685,6 milhões, respectivamente. 

A Transbrasil contará com ônibus articulados e biarticulados ao longo da Avenida Brasil, desde Deodoro até o Aeroporto Santos Dumont, passando também pelas avenidas Presidente Vargas e Francisco Bicalho. O serviço vai conectar as zonas oeste e rorte, além do centro da cidade. 

A implantação do sistema será iniciada ainda neste ano, com prazo de conclusão de 30 meses. O corredor terá 32 quilômetros, com expectativa de atender cerca de 900 mil passageiros por dia, sendo o BRT que provavelmente terá maior demanda entre todos já projetados e implantados no mundo. O projeto terá R$ 1,097 bilhão financiado pelo Governo Federal, por meio do PAC da Mobilidade Urbana. A prefeitura entrará com o restante do valor.

Em seu traçado estão previstas melhorias na pavimentação e urbanização das vias e reestruturação da rede de drenagem. Além da construção de 30 mil metros quadrados de pontes e viadutos, alargamento de pistas importantes, como a Avenida Brasil, e a construção de um mergulhão de acesso ao Aeroporto Santos Dumont.

A Transbrasil será conectada a corredores de elevadíssima demanda, como as rodovias federais BR-116 (Rio - São Paulo) e BR-040 (Rio - Juiz de Fora). Além de integração com o metrô e trem, o serviço terá ainda conexões com os corredores Transcarioca (Barra da Tijuca/ Aeroporto Internacional) e Transolímpica (Barra da Tijuca/ Deodoro), ambos com obras já execução. 

O corredor Transcarioca terá 39 quilômetros de extensão, com um investimento estimado em R$ 1,5 bilhão, dividido entre o Governo Federal e Prefeitura do Rio, com prazo de conclusão para dezembro de 2013. Já a Transolímpica vai custar R$ 1,55 bilhão, financiado em parceria com a iniciativa privada através de concessão, que dará o direito de construção, manutenção e operação por 35 anos. Com 23 quilômetros de extensão, o corredor vai ligar os bairros do Recreio dos Bandeirantes a Deodoro, passando por Barra da Tijuca e Jacarepaguá. A previsão é que as obras fiquem prontas até o final de 2015.

Dos quatro projetos de corredores expressos, o único já em funcionamento é o BRT Transoeste. Completando nesse mês um ano de operação, o serviço liga de forma ágil os bairros da Barra da Tijuca e Santa Cruz, com expansão ao bairro de Paciência, transportando cerca de 120 mil passageiros por dia. O município já investiu R$ 900 milhões na construção da Transoeste e ainda neste semestre entregará à população a ampliação até o bairro de Campo Grande.

A Secretaria Municipal de Obras anunciou para o dia 28 de junho a concorrência do processo de licitação para a construção do lote 0 do BRT Transoeste, estimada em R$ 94,9 milhões, a ser implantado entre o Terminal Alvorada e o Jardim Oceânico, na Barra da Tijuca. O trecho de seis quilômetros integrará o corredor expresso à Linha 4 do metrô, que está sendo construída pelo Governo do Estado no mesmo bairro. 

Transcarioca, Transoeste, Transolímpica e Transbrasil fecham um anel viário de 155 quilômetros de alta performance na cidade, que ficará totalmente interligada. O sistema proporciona uma mobilidade mais inteligente e sustentável para a população carioca. Segundo a Secretaria Municipal de Obras, as obras são fundamentais na preparação da cidade para a Copa de 2014 e para a Olimpíada de 2016, e um importante legado para o Rio. 

Obras do Metrô 
Enquanto isso, as obras da Linha 4 do Metrô seguem em curso. No momento, 100% de escavações foram executadas em São Conrado. O novo trecho ligará a Barra da Tijuca a Ipanema, com estimativa de transportar mais de 300 mil pessoas por dia, retirando das ruas cerca de 2 mil veículos por hora/pico. Com a nova linha, o passageiro poderá utilizar todo o sistema metroviário da cidade pagando uma única tarifa e sem baldeação.
crédito: Marcelo Horn/Divulgação
Serão seis estações (Nossa Senhora da Paz, Jardim de Alah, Antero de Quental, Gávea, São Conrado e Jardim Oceânico) com aproximadamente 16 quilômetros de extensão, construídos desde junho de 2010. A operação da nova linha deve entrar em vigor no primeiro semestre de 2016, após passar por uma fase de testes. As perfurações pela Barra da Tijuca já contam com mais de 4,7 mil metros de túneis escavados em direção a Gávea.

Em São Conrado, as escavações atingiram 100%, sendo agora iniciadas as escavações dos acessos à estação. Na Gávea, foi concluída a instalação do canteiro no campo de futebol da PUC, de onde está sendo escavado um túnel de serviço que dará acesso ao túnel de via, por onde passarão os trens, sentido estações Gávea e São Conrado. Ao final das obras, o túnel de serviço será utilizado para ventilação e saída de emergência.

Na Praça Antero de Quental, no Leblon, é realizado o serviço de Jet Grouting, técnica de impermeabilização do solo. O mesmo trabalho está em execução no Jardim de Alah, que conta ainda com a instalação de estacas raiz, que servem como cortinas de proteção aos prédios do entorno. Na Praça Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, além do Jet Grouting, os operários trabalham na construção das paredes diafragma (paredes da estação). 

Já no subsolo ao lado da Estação General Osório, também em Ipanema, ocorre atualmente a preparação do túnel onde a máquina de perfuração chamada Tatuzão será montada. O Tatuzão partirá em direção à Gávea, a partir de outubro. No local, a máquina será montada, para começar a escavar os túneis de Ipanema até a Gávea. A montagem está prevista para começar em junho. E na Leopoldina, está sendo construída a fábrica de aduelas, que são anéis de concreto que formarão os túneis do metrô entre Ipanema e Gávea.

Estima-se que o trajeto Barra–General Osório será feito em 13 minutos, e o Barra–Tijuca, em 50 minutos. O valor do empreendimento é de 8,5 bilhões, sendo R$ 7,5 bilhão do Estado e R$ 1 bilhão por meio de consórcio.

Informações: Portal 2014

0 comentários:

Notícias Relacionadas

Loading...

Google+ Followers

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Brasil vai inaugurar mais de 250 quilômetros de BRT em 2014

Nova etapa das obras da Linha 4 do Metrô do Rio é iniciada na Gávea

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Governo estuda trem-bala de São Paulo a BH, Curitiba e Brasília

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960