Greve de ônibus em Pelotas causou transtornos para aqueles que dependem de transporte coletivo

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

A paralisação dos rodoviários causou transtornos na quinta-feira (13) para aqueles que dependem de transporte coletivo para se deslocar em Pelotas. Com a decisão da classe de não aceitar as propostas de reajuste oferecidas pelos donos das empresas, pela manhã nenhum ônibus circulou pelas ruas da cidade, obrigando a população a buscar transportes alternativos, como mototáxi e lotações.

Um dos afetados pela greve foi o cozinheiro Carlos Alberto Soares Oliveira, morador do Fragata. Sem saber que os coletivos não circulariam, foi para o ponto normalmente. “Esperei um tempo e, como não passou nenhum ônibus, resolvi vir para o centro andando”, conta. Para chegar ao trabalho, no entanto, precisa ir até o Areal. Sem saber o que fazer, tentava contato com o patrão para ver como se deslocar, já que a tarifa de um mototáxi até aquela área ficaria em torno de oito a dez reais e o atraso já era inevitável.

Quem também esperou em vão pelo transporte coletivo foi o operador de fotocópias, Max Pinheiro, que trabalha no turno da noite no Centro e normalmente volta de ônibus para a casa, próxima ao aeroporto. “Vou ter que pegar um mototáxi até lá, mas nem sei quanto vão me cobrar, já que é bem longe do Centro”, explica o rapaz, que trabalhou até as 8h e esperava pelo transporte coletivo, sem informações sobre a greve.

Paralisação de uns, negócios para outros
O transtorno de uns, no entanto, significa bons negócios para outros. O proprietário de um micro-ônibus que preferiu não ter seu nome divulgado foi cedo para a rua. Fazendo uma linha do Centro para a Domingos de Almeida, cobrava entre R$ 4 e R$ 5 por passageiro, dependendo de onde desembarcavam. “Eu espero algum tempo aqui no ponto de ônibus e, quando reúno um número bom de usuários, faço a viagem até o Areal”. Assim como o microempresário, vários motoristas utilizaram seus carros particulares para prestar o serviço de transporte à população.

Outro serviço bastante utilizado pelos pelotenses durante a paralisação foi o de mototáxi. Durante a manhã desta quinta, o trânsito de motocicletas era ainda mais intenso que o habitual. Segundo o mototaxista Marlon Alonso, a demanda foi intensa desde as 6h. “O movimento foi muito maior do que o normal, só às 9h consegui parar para tomar um café”, conta. Ele garantiu, no entanto, que o valor cobrado não é maior devido ao aumento da procura pelo serviço.

Piquete dos rodoviários
Em frente à empresa Turf, um dos piquetes onde os rodoviários estiveram reunidos, o clima era tranquilo. Vários motoristas e cobradores aguardavam alguma manifestação dos proprietários das empresas acenando para negociação. Do contrário, informa a diretora de comunicação do O Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário de Pelotas (STTRP), Fernanda Ferraz, os profissionais permanecem parados por tempo indeterminado.

As reivindicações da categoria são 8% de aumento nos salários e plano de saúde com cobertura 24 horas. As propostas apresentadas pelas empresas, no entanto, eram de 8% sem o plano ou 6% com plano de saúde no Cruz de Prata.

Segundo o diretor do STTRP, Vladmir Dias Moraes, a proposta em que os trabalhadores receberiam o plano de saúde é inaceitável, uma vez que a diferença de 2% no aumento, que para os motoristas seria de R$ 34,76, é superior ao valor do plano de saúde individual, que Vladmir afirma custar cerca de R$ 25 por empregado. “Na verdade estaríamos pagando pelo plano de saúde e isso não vamos concordar”, informa.

Contraponto
As empresas de tranporte coletivo devem se manifestar sobre a paralisação dos rodoviários até as 14h desta quinta através de nota à imprensa.

2 comentários:

aviso as empresas de transporte coletivo responsáveis pelas sucatas q circulam pela cidade de pelotas que são mantidas através de nosso dinheiro,acho q ñ é só requerer aumento e ñ transmitir a motoristas e cobradores q trabalham longas horas por dia e ñ são valorizados.
pagamos um valor de passagem muito alto pelas péssimas condicoes q os onibus se encontram.
esse é o desabafo de um trabalhador q ñ aguenta mais* greve já virou moda*
deixo um abraço p motoristas e cobradores q lutam por seus direitos!

aviso as empresas de transporte coletivo responsáveis pelas sucatas q circulam pela cidade de pelotas que são mantidas através de nosso dinheiro,acho q ñ é só requerer aumento e ñ transmitir a motoristas e cobradores q trabalham longas horas por dia e ñ são valorizados.
pagamos um valor de passagem muito alto pelas péssimas condicoes q os onibus se encontram.
esse é o desabafo de um trabalhador q ñ aguenta mais* greve já virou moda*
deixo um abraço p motoristas e cobradores q lutam por seus direitos!

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

Conheça o BRT Transbrasil

Google+ Followers

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Brasil vai inaugurar mais de 250 quilômetros de BRT em 2014

Nova etapa das obras da Linha 4 do Metrô do Rio é iniciada na Gávea

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Governo estuda trem-bala de São Paulo a BH, Curitiba e Brasília

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960