Em Cuiabá, Ônibus sem cobrador vira polêmica e acaba na Justiça

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012


A União Cuiabana de Associações de Moradores de Bairros (Ucamb) promete ingressar com representações junto ao Ministério Público Estadual (MPE) e ao Ministério Público do Trabalho (MPT), até o dia 20 deste mês, para reclamar da ausência de cobradores em dezenas de linhas de ônibus coletivos da Capital.
De acordo com o presidente da entidade, Édio Martins de Souza, as linhas que atendem aos bairros periféricos e não passam pelo centro de Cuiabá já estão atuando sem cobradores. Isso dificulta a atuação do motorista do coletivo, que, além de dirigir, se vê obrigado a receber o dinheiro da passagem e separar o troco para cada usuário do transporte, acumulando funções.
A diretora jurídica da Ucamb, Beatriz Pinho, esteve reunida, nesta quinta-feira (9,) com o promotor de Justiça Alexandre Guedes, discutindo a maneira como a representação poderá ser feita junto ao MPE, a fim de resguardar a segurança dos usuários.

No MPT, a representação terá o objetivo de assegurar o emprego dos cobradores, uma vez que toda a categoria poderá ser prejudicada com a modernização das frotas, segundo a Ucamb.

A diretoria da entidade ainda afirmou ser mentirosa a declaração dada pelo secretário municipal de Transportes Urbanos (SMTU), Josemar de Araújo Sobrinho, de que o movimento comunitário teria manifestado apoio à “modernização do sistema e aos ônibus sem cobradores”.

“Somente a Ucamb tem a chancela para manifestar em nome do movimento comunitário e bases populares da cidade”, afirmou o presidente.
Segundo Souza, o secretário afirmou que iria fazer um teste com 12 ônibus da Capital, adaptando-os ao sistema, sem a atuação de cobradores – ação esta que recebeu o apoio da Ucamb.

O presidente observou que, em momento algum, os movimentos comunitários aceitaram a mudança total ou gradativa do sistema atual, apenas a fase de teste.

Segundo a diretoria jurídica, um empecilho encontrado para a elaboração das representações seria o de que o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Cuiabá teria assinado um documento, em 2010, durante uma convenção, autorizando os testes nas frotas de ônibus – circulando sem cobradores –, em troca de aumento salarial.

Reclamações
Souza lamentou ainda ter-se tornado prática comum das empresas do sistema de transportes urbanos colocarem ônibus operando sem a presença de cobradores, desde já.
A iniciativa está gerando reclamações dos usuários, que criaram uma antipatia com o novo sistema e acreditam que tal prática aumenta a sensação de insegurança e as chances de assaltos aos coletivos.
Para os motoristas, o acúmulo de funções representa, de acordo com a Ucamb, um aumento da jornada de trabalho, sem contar a demissão massiva de trabalhadores que hoje dependem do serviço de cobrador nos coletivos.
“O que vemos no transporte público de Cuiabá, infelizmente, é um total desrespeito a quem paga pelos serviços, ou seja, o usuário. E o que é pior: como gestora do sistema, a Prefeitura Municipal (sob Chico Galindo) assiste à farra dos concessionários, sem tomar providências”, reclamou o sindicalista.

Fonte: Midia News




1 comentários:

Gato Preto disse...

Se lá ainda é polêmica, os cuiabanos estão bem. Na região metropolitana de Belo Horizonte, esta praga já está instalada há anos e mal os sindicatos de motoristas e cobradores protestam.

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960