São Paulo: Trólebus será recuperado e ganhará novos modelos

terça-feira, 16 de novembro de 2010

O sistema de trólebus de São Paulo, que chegou a contar com 1.200 veículos na década de 1980 e reduziu a frota para 200 nos últimos anos, começa a ganhar novos investimentos. No ano que vem, a SPTrans deve realizar uma licitação para definir a empresa que irá assumir a manutenção da rede elétrica dos trólebus. Até o final do próximo mês esse serviço é de responsabilidade da Eletropaulo.
De acordo com o Sindicato dos Motoristas de Ônibus de São Paulo, o  sistema de trólebus foi sucateado pelas últimas administrações. A cada 58 metros existe uma emenda na rede elétrica. "Além do problema com a rede é preciso substituir a frota. A média de idade chega a 30 anos", disse Valdemir dos Santos Soares, diretor de patrimônio do sindicato. 
A Prefeitura já está pronta para iniciar a troca da frota. Até 2012 serão adquiridas  140 novas unidades. Com a substituição dos ônibus, a idade média dos trólebus da capital será de  30 anos. Para se ter uma ideia do potencial do sistema, um ônibus a diesel tem que ser trocado a cada 10 anos de uso por questões técnicas e de poluição. Já foram incorporados à frota 11 trólebus novos e outros modelos estão sendo testados.
Desde o mês passado foram iniciados também os testes do ônibus híbrido, que poderá ser adotado em São Paulo nos próximos meses. Desenvolvido pela Volvo, o veículo carrega dois motores: um impulsionado a biodiesel e outro, a eletrecidade. O motor elétrico é utilizado para dar partida no veículo e acelerá-lo até uma velocidade aproximada de 20 km/h. Ele também gera energia durante as frenagens. Já o motor biodiesel entra em funcionamento após o ônibus alcançar velocidades altas.
O engenheiro Adriano Murgel Branco, especialista em trânsito e tio do atual secretário municipal de Transportes, diz que a cidade deve investir cada vez mais em um modelo de transporte menos poluente. "Cerca de 75% da poluição da cidade vêm dos veículos. Quando a gente investe em ônibus elétricos não estamos só restrigindo a emissão de gases, mas também há uma economia para os cofres públicos. Sem contar com a melhora da qualidade de vida. Estes veículos não apresentam ruído e são mais confortáveis", disse.
Segundo ele, a cidade agora precisa ampliar os corredores de ônibus. "É preciso pensar em corredores sem cruzamento, o que pode aumentar a capacidade de transporte. E se o ônibus for elétrico, melhor ainda", diz.
No final do governo Marta Suplicy, em 2004, a Prefeitura planejava vender os últimos 200 trólebus que restavam da frota. O secretário municipal do Verde e Meio Ambiente, Eduardo Jorge, intercedeu junto ao prefeito recém-eleito José Serra (PSDB) para que as vendas fossem suspensas e desde então trabalha para a recuperação e expansão do sistema. "Desde que a cidade assumiu a política municipal de mudanças climáticas a secretaria viu a importância de manter, resgatar e expandir a frota", conta. O principal responsável pelo efeito estufa é o dióxido de carbono que sai dos escapamentos dos automóveis.
A vantagem do trólebus é que ele é a alternativa de transporte totalmente não poluente. "Em todas  as grandes cidades do mundo o trólebus está sendo apoiado. Além de não poluir, esse tipo de transporte é mais confortável e silencioso", elogia o secretário.  Segundo relatório do Instituto de Políticas de Desenvolvimento e Transporte (ITDP), existem aproximadamente 340 sistemas de trólebus operando hoje no mundo.
"A posição da secretaria, do ponto de vista ambiental, é que o local ideal para a expansão deve ser nos corredores de ônibus", diz Jorge. Segundo o secretário, é preciso rever os preços cobrados pelo órgão regulador federal (Aneel) para a energia gasta no transporte. "É inacreditável que eles cobrem a tarifa mais alta para um transporte que beneficia a saúde pública", diz.
READ MORE - São Paulo: Trólebus será recuperado e ganhará novos modelos

Especialistas discutem desafio de associar desenvolvimento urbano e qualidade de vida

A urbanização é um dos principais desafios para a saúde pública mundial, afirmam especialistas do setor reunidos em Kobe, no Japão. Para eles, as oportunidades oferecidas pelas grandes cidades devem ser associadas à qualidade de vida. A advertência é da Organização Mundial da Saúde (OMS), que coordena as discussões. Por isso há recomendações explícitas para o aperfeiçoamento do sistema de transporte coletivo e restrições ao fumo.

"O desafio é elaborar propostas tendo como base as oportunidades oferecidas nos núcleos de concentração urbana. O impacto pode ser dramático ou positivo sobre a saúde de suas sociedades", disse a diretora–geral da OMS, Margaret Chan.

Ela sintetizou as orientações transmitidas aos representantes de cada país: “É necessário proporcionar transporte público seguro, investindo em serviços, e reduzir a poluição do ar, proibindo o fumo em locais públicos”.

As orientações foram baseadas em casos considerados emblemáticos. Um deles é o da cidade de Lagos – localizada na Nigéria, a segunda maior concentração urbana da África depois do Cairo, no Egito – onde o trânsito é apontado como um dos mais caóticos do mundo, segundo estudos internacionais.

Para os especialistas, o congestionamento das principais cidades do país afeta a qualidade de vida da população. O governador da região de Lagos, Babatunde Raji Fashola, afirmou que o sistema rápido de ônibus foi intensificado, aumentando a oferta de transporte seguro e eficiente para a população.

As recomendações sobre a proibição do fumo se basearam em ambientes de Xangai, na China. Para os especialistas, as autoridades devem definir vetos ao fumo em restaurantes e também à venda de cigarros, assim como à publicidade.

Paralelamente, especialistas de vários continentes promovem debates sobre as ações específicas relativas às suas áreas. No Sudeste Asiático, os ministros da Saúde aprovaram uma proposta de ação sobre urbanismo e saúde, em setembro. Nas Américas e no Pacífico Ocidental, os ministros da Saúde se comprometeram a promover ambientes mais saudáveis em áreas urbanas.

Fonte: Pernambuco.com
READ MORE - Especialistas discutem desafio de associar desenvolvimento urbano e qualidade de vida

Programa de transporte e trânsito para Niterói ainda não saiu do papel

Um ano após o anúncio do Plano Integrado de Transporte e Trânsito, baseado no sistema Bus Rapid Transit (BRT), a Prefeitura de Niterói ainda não teria tomado uma das principais iniciativas para sua implantação: a criação de um grupo de gerenciamento para execução do projeto. De acordo com o consultor internacional do Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP), Enrique Peñalosa, as secretarias municipais precisam de respaldo técnico para a implantação desse tipo de projeto.
A Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) declarou a intenção de criar um modelo de gerenciamento de transporte integrado a toda a Região Metropolitana.
“Esse é um projeto de alta complexidade, que demanda demais das secretarias municipais. Não há condições de se executar um projeto desse porte sem uma grande gerência de projeto, porque uma secretaria municipal tem outras atribuições”, destaca o Enrique Peñalosa.
Ainda de acordo com Peñalosa, antes de mais nada, o sistema de BRTs consiste em um projeto urbanístico multisetorial. Ele acredita que o projeto represente uma profunda transformação urbanística. Nas cidades onde já foi implantado corretamente, o sistema teria gerado resultados positivos, aumentando, inclusive, a sensação de segurança pública.
O presidente da Fetranspor, Lélis Marcos Teixeira, contou que a federação pretende auxiliar os municípios da Região Metropolitana na implantação do sistema BRT. Uma reunião já estaria marcada com representantes dos 20 municípios.
“Estamos acompanhando toda a situação e sabemos que Niterói já tem projetos sendo estudados. Mas nossa ideia é que haja um conjunto de sistemas integrados nos 20 municípios”, anuncia.
A Prefeitura informou, por meio de nota, que tão logo seja implantado o projeto existirá um grupo gestor na cidade que fará o gerenciamento da operação do Plano Integrado de Transporte e Trânsito. O município informou, ainda, que todas as obras e mudanças que estão sendo executadas na cidade já visam a implantação do BRT, mas que não há previsão de tempo de conclusão.

READ MORE - Programa de transporte e trânsito para Niterói ainda não saiu do papel

Metrô Rio: Estação Cidade Nova opera em horário integral e gratuitamente

Inaugurada no dia 1º de novembro, a Estação Cidade Nova do Metrô passa a funcionar em horário integral, a partir desta terça-feira. Desde sua abertura inicial, a operação estava restrita ao horário das 10h às 14h, para realização dos últimos ajustes. A gratuidade será mantida até 1º de dezembro.
A estação Cidade Nova do metrô, a 35ª do sistema no Rio, recebeu investimento de R$ 80 milhões no projeto, que inclui uma passarela e a revitalização do entorno. Outros R$ 120 milhões foram gastos na ligação da estação à de São Cristóvão.
A expectativa da concessionária Metrô Rio é que, no primeiro ano e meio de operação, cerca de dez mil passageiros passem diariamente pela Cidade Nova. O presidente da concessionária, José Gustavo de Souza Costa, disse não acreditar que o sistema fique ainda mais comprometido, pois, inicialmente, passageiros que já utilizam o meio de transporte vão apenas mudar sua estação de embarque ou desembarque.

READ MORE - Metrô Rio: Estação Cidade Nova opera em horário integral e gratuitamente

Rio de Janeiro: Circulação de trens no ramal de Saracuruna é suspensa

A circulação de trens no ramal de Saracuruna chegou a ser suspensa na manhã desta terça-feira. Neste momento, as estações da Central até Caxias já estão operando normalmente, segundo informou a concessionária. Continuam fechadas as estações de Gramacho a Saracuruna.
Mais cedo, nove estações ficaram sem operar. O problema foi causado por um trem que seguia de Saracuruna para a Central do Brasil e apresentou um defeito operacional após a estação Gramacho, prejudicando o fornecimento de energia no ramal.
Os técnicos da empresa já estão no local para tomar as devidas providências e liberar a circulação no trecho que continua parado. Segundo a SuperVia, ainda não há previsão de quando o trem voltará circular normalmente até Saracuruna.
Durante o período que o transporte esteve suspenso, informou a SuperVia, as estações de Saracuruna a Penha foram fechadas para evitar aglomeração de passageiros. Não há registro de tumulto nas estações.
A Agência Reguladora de Transportes Aquaviários, Ferroviários e Metroviários e de Rodovias do Estado do Rio de Janeiro (Agetransp) informou, em nota, que instaurou processo regulatório para apurar as causas da paralisação parcial do ramal de Gramacho, ocorrida às 7h30m desta terça-feira.

READ MORE - Rio de Janeiro: Circulação de trens no ramal de Saracuruna é suspensa

DF: Empresas de ônibus querem um aumento de 30,75% nas passagens de ônibus

Os empresários do sistema de transporte público voltaram a pressionar o Governo do Distrito Federal por aumento das passagens de ônibus. Eles alegam que o atual faturamento de R$ 50 milhões por mês oriundos da frota de 2.800 veículos é insuficiente para a manutenção da normalidade do serviço prestado à população e pedem um aumento de 30,75% em média nos atuais valores da tarifa. Caso o governador do DF, Rogério Rosso, não atenda as reivindicações “imediatamente”, os empresários ameaçam não pagar o óleo diesel para circulação dos ônibus, além de atrasar o salário e o 13º dos funcionários, o que resultaria em greve da categoria e, consequentemente, prejuízos para a população. Especialistas e usuários de coletivos rechaçam a ideia de reajustes, uma vez que consideram o serviço prestado pelas empresas de péssima qualidade. Ainda em agosto, Rosso descartou a possibilidade reajuste de passagens em sua gestão.

Em entrevista exclusiva ao Correio, na tarde de ontem, o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo do DF e dono da Viação Planalto (Viplan), Wagner Canhedo Filho, alegou que a as passagens deveriam render pelo menos R$ 70 milhões para o sistema de transporte público “sobreviver”. Para isso, ele propõe o aumento das passagens de R$ 2 para R$ 3 (50%); de R$ 3 para R$ 4 (33%); de R$ 1,50 para R$ 1,80 (20%); e de R$ 2,50 para R$ 3 (20%). “Nosso último reajuste de tarifas foi em 1º de janeiro de 2006. Ou seja, vamos para quase cinco anos sem aumento. Nesse período, aumentamos em 40% os salários dos rodoviários. Isso prejudica em demasia as empresas. Corremos o risco de não honrar nossos compromissos com os rodoviários”, explicou. No próximo dia 20, as empresas devem pagar os salários dos funcionários. A primeira parcela do 13º será transferida em dia 30. Os rodoviários garantem que, caso não recebam no fim do mês, vão parar imediatamente.

Fonte: Correio Braziliense
READ MORE - DF: Empresas de ônibus querem um aumento de 30,75% nas passagens de ônibus

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960