Passagem de ônibus no DF pode ficar mais cara

terça-feira, 27 de julho de 2010


análise das planilhas das empresas de transporte revelou que elas têm lucro de 3%. Os números do GDF e dos empresários não batem. “O nosso déficit está em 28% e nós vamos provar que os nossos números estão certos”, afirma o presidente do sindicato das empresas de ônibus, Wagner Canhedo. Os empresários afirmam que gastam R$ 0,06 centavos com lubrificante para cada quilômetro que os ônibus rodam. A auditoria feita pelo GDF mostrou que a despesa é, na verdade, metade desse valor - R$ 0,03.

Quando a empresa contratada pelo governo para auditar os gastos colocou na ponta do lápis toda a despesa que um ônibus tem para rodar um quilômetro também encontrou números diferentes. De acordo com os empresários, o custo final por quilômetro é de R$ 3,76, mas a auditoria revelou que esse gasto é de R$ 3,08 – uma diferença de R$ 0,68 para cada ônibus.
Empresários e governo falam a mesma língua quando o assunto é a sanção do novo projeto do Passe Livre. Com a aprovação do texto sem vetos, os donos de ônibus teriam prejuízo de 0,15%, o que poderia resultar em aumento de passagem. “De 4 a 5% de pressão tarifária é o que a gente chegou. Ou seja: nós vamos sancionar ou vetar uma lei que, de um lado, pode aumentar a tarifa de forma permanente ou, e de outro lado, avança em vários pontos”, explica o governador Rogério Rosso.

“Eu acho um absurdo porque a qualidade do transporte público é precária”, conta a técnica em contabilidade Sueli Mesquita. “A passagem já não é barata, ainda subir mais. A gente olhando o jeito que está os ônibus, tudo carcaça, e a passagem nesse preço não convém”, defende a comerciária Marisa Garssoni.

A proposta dos empresários é que a passagem passe a custar R$ 4,25. Nós procuramos o presidente do sindicato dos rodoviários toda a manhã, mas ele não respondeu nossas ligações.

Fonte: DFTV
READ MORE - Passagem de ônibus no DF pode ficar mais cara

Pró-Transporte ainda é um sonho distante para a zona Norte de Natal


As obras do Pró-Transporte, na zona Norte de Natal, continuam sem prazo para serem concluídas. Isto porque o Governo do Estado não cumpriu com sua parte em acordo firmado no ano passado com a Prefeitura de Natal. Pelo menos, foi essa a informação repassada pelo secretário Municipal de Obras Públicas e Infraestrutura, Demétrio Torres, na tarde desta terça-feira (27).

Em coletiva de imprensa concedida na sede da Semopi, o secretário apresentou o projeto que está sendo executado na zona Norte, e justificou a sucessão de atrasos da obra. Segundo ele, a execução dos trabalhos está parada porque o Governo do Estado não cumpriu com sua parte, segundo o 9º Termo Aditivo ao Convênio 218/2006, firmado em 7 de agosto de 2009.No documento, assinado pelas duas administrações, ficou acordado que o Estado seria responsável pelo pagamento das desapropriações, necessárias ao andamento das obras, enquanto que o Município arcaria com os reajustamentos das faturas, correspondentes às correções monetárias.

O termo estabelece o valor de R$ 7.876.275,86 que deveriam ser repassados pelo Estado ao Município, para o pagamento das desapropriações. No entanto, a Administração Municipal alega que este repasse não foi feito e que, agora, está dependendo dele para que possa dar continuidade às obras do Pró-Transporte.

Projeto

O Pró-Transporte é um programa do Ministério da Cidades que visa financiar o setor público e a iniciativa privada de infraestrutura de transporte coletivo urbano. No caso da capital potiguar, o programa foi anunciado em 2006 como grande solução para melhorar a mobilidade urbana da zona Norte da cidade, beneficiando seus mais de 300 mil habitantes. Na época, foi firmado o convênio entre a Prefeitura de Natal e o Governo do Estado, onde ficou acertado que o Município seria responsável pela execução das obras, enquanto que o o financiamento ficaria por conta do Estado.

Com orçamento total estimado em R$ 80 milhões, a obra abrange o traçado que se inicia na avenida Tomaz Landim, passando pelas avenidas das Fronteiras, Rio Doce e Tocantínea, até a avenida Moema Tinoco. Desse entroncamento para um lado passa pela avenida Conselheiro Tristão até a Ponte Newton Navarro e para o outro lado até a BR 101.

Entre as obras previstas, estão a construção de passarelas, viaduto, estações de transferência, a duplicação e o prolongamento do chamado Corredor das Fronteiras (avenida das Fronteiras, Rio Doce e Tocantínea), que terá uma faixa exclusiva para ônibus e ciclovia.

A execução da obra foi dividida em quatro trechos: o primeiro, do viaduto à avenida Moema Tinoco; o segundo, da Ponte Newton Navarro, passando pela avenida Conselheiro Tristão até o entroncamento com a avenida Tocantínea; o terceiro, até o entroncamento com a BR 101; e, por último, do viaduto até a avenida Tomaz Landim. A extensão total do projeto é de 11,06 quilômetros.

READ MORE - Pró-Transporte ainda é um sonho distante para a zona Norte de Natal

Motoristas desrespeitam faixas seletivas de ônibus em vias de Niterói


No Corredor Metropolitano da Alameda São Boaventura, no Fonseca, e no corredor viário da Avenida Feliciano Sodré, no Centro, o desrespeito às regras é flagrante. É comum ver motoristas entrando em ruas proibidas e trafegando em faixas exclusivas de ônibus.
Na Feliciano Sodré, onde as faixas no sentido Ponte Rio-Niterói são exclusivas para ônibus, carros de passeio trafegam o tempo todo. Quem sofre é quem pega ônibus na via.
“Fazem uma grade confusão no trânsito e acaba atrasando muito o trânsito, fazendo com que os ônibus demorem mais”, reclama o químico José Mauro Ferreira, 52 anos.
Ele diz, ainda, que muitas vezes carros param na frente do ponto de ônibus, obrigando o transporte coletivo a passar pela pista de fora.


Na Alameda, a reclamação é a mesma. Na tentativa de fugir dos engarrafamentos que sempre se formam nas vias, alguns motoristas passam pela pista da esquerda, exclusiva para ônibus. Mas ao se aproximarem de radares ou de guardas municipais fazem verdadeiros malabarismos para entrar novamente na faixa correta. Quem tem que passar de carro pela via, reclama e até se assusta com a imprudência de alguns veículos. E as vans também são alvo de reclamação.
“É um perigo, até evito de sair de casa de carro para não ter que enfrentar isso. Quando os motoristas de vans irregulares voltam para a pista cortam todos os carros, quase causam acidentes graves”, analisa a advogada Helem Barbosa, 42.
A Prefeitura de Niterói, através da Niterói, Transporte e Trânsito (NitTrans), informou que mantém fiscalização em toda a cidade, a Operação Araribóia, realizada diariamente, inclusive aos sábados. Toda a cidade é fiscalizada e há 60 agentes de trânsito divididos em três turnos.

READ MORE - Motoristas desrespeitam faixas seletivas de ônibus em vias de Niterói

Coletivos continuam com letreiros irregulares


As mudanças que deveriam ser feitas nos letreiros dos ônibus coletivos de São Luís continuam pendentes. Hoje quem depende do transporte, ainda sofre com a dificuldade de leitura na hora da identificação da linha do veículo.

Com relação ao problema, o Sindicato das Empresas de Transportes (Set) e a Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte (SMTT) fizeram, no mês de maio, um acordo que visa facilitar aos usuários a visualização do itinerário do coletivo. Frente à situação, foi acertada a retirada de todas as mensagens contidas nos letreiros dos ônibus da capital.

Em relação ao caso, pouca coisa mudou, pois ainda se vê nos letreiros digitais frases de “bom dia”, “boa tarde” e “boa noite”, fato que atrapalha na hora de identificar a linha. Outro problema enfrentado pelos usuários é o tamanho da fonte e a cor utilizada na maioria dos letreiros.

De acordo com a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), os caracteres dos letreiros de pano devem estar nas cores verde-limão ou amarelo-limão, com no mínimo 15 centímetros de altura. Já os letreiros eletrônicos devem estar nas cores amarelo-âmbar ou branco com o fundo preto, mas infelizmente esta norma não é respeitada em muitos veículos, fator que gera revolta para quem tem o coletivo como único meio de transporte.

Rosinere Penha, de 72 anos, moradora do bairro Cohama é uma das que se sente prejudicada com as irregularidades. “Já perdi o ônibus várias vezes porque não consegui enxergar o nome”, reclamou.

Em nota, a Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT) informou que iniciará em agosto a fiscalização no intuito de garantir o cumprimento dessas novas regras por parte das empresas de transportes, as mesmas têm o prazo de até 31 de julho para se adaptarem totalmente ao padrão imposto pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

READ MORE - Coletivos continuam com letreiros irregulares

Aracaju: Sistema de transporte coletivo recebe novos ônibus


Hoje, 27, o prefeito Edvaldo Nogueira entregou à população mais 24 novos ônibus do sistema público integrado de transporte coletivo. A cerimônia aconteceu às 8 horas, em frente ao Palácio Ignácio Barbosa, na Praça Olímpio Campos, Centro da cidade.
A medida faz parte do processo de renovação da frota iniciado no ano passado, em parceria com os empresários do setor, que culminou na entrega de mais de 100 novos veículos e na melhoria significativa do serviço ofertado aos passageiros, que agora têm mais conforto e segurança.
Este ano, 35 ônibus novos já foram entregues aos usuários do sistema público de transporte coletivo. A renovação alcança 20% da frota da cidade, que atualmente tem aproximadamente 500 veículos.
Ônibus novosOs ônibus que foram entregues hoje, são das empresas Viação São Cristóvão (VSC) e Viação Cidade de Aracaju (VCA). Todos estão equipados com câmeras de segurança, GPS e elevador para cadeirantes. Cada um respresenta um investimento de cerca de R$ 250 mil.

Fonte: SMTT
READ MORE - Aracaju: Sistema de transporte coletivo recebe novos ônibus

Metrô Rio: Estação Botafogo terá dois acessos fechados para obras de modernização


O Metrô Rio fechará a partir da próxima terça-feira (27/07) os acessos Muniz Barreto e Voluntários da Pátria, por 45 dias, em prosseguimento às obras de modernização da Estação Botafogo. Para chegar à estação, os passageiros poderão usar outros quatro acessos: São Clemente/Humaitá, Mena Barreto, São Clemente/Praia e Nelson Mandela.

Estes dois últimos acessos, que foram os primeiros a ser interditados no início das obras, em abril, já foram reabertos. Apenas a escada rolante do acesso São Clemente/ Praia ainda está sendo modernizada, mas a escada fixa está liberada. Os agentes de segurança estão prestando assistência aos passageiros com dificuldade de locomoção e idosos durante o período em que o equipamento estiver fora de operação.

Além disso, há a opção de utilização do acesso São Clemente/ Humaitá, que possui escada rolante em pleno funcionamento.A concessionária está investindo R$ 4,9 milhões na obra em Botafogo, que prevê a revitalização total das áreas comuns e bilheterias da estação. A expectativa é que as obras estejam concluídas até o fim do ano.

Fonte: Metrô Rio
READ MORE - Metrô Rio: Estação Botafogo terá dois acessos fechados para obras de modernização

São Paulo: Restrição à circulação de ônibus fretados completa um ano


A restrição à circulação de veículos fretados no Centro expandido da cidade de São Paulo completa um ano nesta terça-feira (27). A medida tomada pela Prefeitura causou muita polêmica na época de sua criação.
Segundo balanço da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), houve um aumento de 11% na fluidez no trânsito de São Paulo por causa da medida. O valor foi obtido comparando os dados de congestionamentos do primeiro semestre de 2009 aos do primeiro semestre de 2010.
A restrição regulamenta a circulação dos ônibus na Zona Máxima de Restrição à Circulação de Fretados (ZMRF). Os veículos não podem circular nessas vias entre 5h e 21h nos dias de semana. Também foram estabelecidos pontos fixos para os fretados, proibindo sua parada em pontos comuns ou em qualquer lugar das vias.

Fonte: G1.com
READ MORE - São Paulo: Restrição à circulação de ônibus fretados completa um ano

Apenas oito dos 47 projetos de mobilidade urbana foram entregues, diz TCU


De pouco adiantou as críticas do secretário-geral da FIFA, Jerome Valcke, que afirmou no dia 1º de maio deste ano estar preocupado com o desenrolar das obras para o mundial de 2014. Agora foi a vez do Tribunal de Contas da União alertar para os atrasos nas construções, principalmente de mobilidade urbana, preocupação latente dos órgãos.
O TCU encerrou um relatório sobre as obras de infrasestrutura e confirmou que a preparação brasileira para a Copa do Mundo está "impressionantemente atrasada". A auditoria aprovada há duas semanas alerta para o risco da repetição dos erros cometidos no Pan de 2007 e mostra a falta de planejamento para que os estádios da Copa não se tornem "elefantes brancos". A informação é do jornal "O Estado de S. Paulo".
Segundo o relatório do ministro Valmir Campelo, até abril deste ano nenhuma obra de mobilidade urbana havia sido contratada e apenas um edital de licitação estava concluído. Das 47 obras previstas, apenas oito projetos básicos foram entregues ao Ministério das Cidades. Além disso, das 12 sedes, apenas quatro solicitaram empréstimo ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para construção e reforma de estádios.
Até abril, Manaus e Fortaleza haviam formalizado o pedido. Passados dois meses, somente Salvador e Rio de Janeiro solicitaram o empréstimo. Esse cenário pode atrasar tanto o lançamento dos editais, quanto a conclusão das obras (previstas para dezembro de 2012), pois a análise da documentação e a liberação da verba pode ocorrer somente em 2011.
O TCU afirma também que há o risco de que as obras sejam contratadas apenas como obras conceituais. Assim, o risco do superfaturamento dos contratos é eminente, por conta da contratação realizada em cima de projetos vagos.
O mal exemplo ocorreu há três anos. As obras dos Jogos Pan-americanos de 2007, que eram de responsabilidade do município, foram assumidas pelo governo federal. Assim, os gastos emergenciais abriram um rombo de quase R$ 3,5 bilhões (o orçamento inicial era de R$ 520 milhões e saltou para R$ 4 bilhões). "Potencializam o risco de que a União assuma custos não-previstos, a exemplo do que ocorreu no Pan de 2007", diz o relatório.
Inclusive, a má divisão de responsabilidades públicas das três esferas governamentais no Pan do Rio de Janeiro foi um erro assumido pelo próprio governo.


Fonte: ESPBR
READ MORE - Apenas oito dos 47 projetos de mobilidade urbana foram entregues, diz TCU

Implantação do BRT Leste/Oeste, trará maior mobilidade, segurança e conforto para o sistema de transporte público de passageiros do Recife


A implantação do sistema de alta capacidade de transporte BRT (Bus Rapid Transit) no Corredor Leste-Oeste em Recife (PE) trará maior mobilidade, segurança e conforto para os usuários do sistema de transporte público de passageiros da Região Metropolitana de Recife.

Segundo o Governo do Estado de Pernambuco, responsável pelas obras, no projeto, está incluída a ligação da Avenida Caxangá, por meio da UR-7 com a Cidade da Copa, num trecho de três quilômetros, em São Lourenço da Mata. Nesta região, o BRT fará o atendimento tanto ao terminal integrado e estação do metrô de Camaragibe, quanto ao futuro terminal e estação de metrô de São Lourenço.

O BRT, ou TRO (Trânsito Rápido de Ônibus), é um transporte coletivo sobre pneus, rápido, flexível, de alto desempenho, que combina elementos físicos e operacionais em um sistema integrado, com uma imagem de qualidade e identidade única. O conceito evoluiu a partir dos corredores exclusivos para ônibus, como alternativa ao metrô para o transporte de massa.
Além de segregar o tráfego geral e impor medidas de prioridade na circulação, o que facilita o trânsito das pessoas, o BRT também proporciona redução dos tempos de embarque e desembarque de passageiros, por ser composto de veículos com grande número de portas e de plataformas niveladas ao piso do ônibus. Outras vantagens são o pagamento fora do veículo, as estações fechadas e seguras e os mapas de informação em tempo real.

Fonte: Portal da Transparência
READ MORE - Implantação do BRT Leste/Oeste, trará maior mobilidade, segurança e conforto para o sistema de transporte público de passageiros do Recife

Salvador: Os caminhos do BRT

O projeto de um moderno sistema de transporte de massa integrado, de qualidade e alta capacidade, para a Grande Salvador não é de agora, como muitos imaginam. Ele vem sendo pensado, estudado, planejado, debatido e construído desde 2005,quando a Prefeitura montou um grupo de trabalho técnico sob a coordenação do arquiteto Francisco Ulisses Rocha, especialista em Planejamento e Gestão e Transportes Urbanos e atual chefe de gabinete da Transalvador. O primeiro produto desse trabalho foi a bilhetagem eletrônica, em uso, essencial para viabilizar a integração dos vários modais de transporte da cidade. “A ideia é chegarmos a um sistema multimodal e integrado, incluindo toda a Região Metropolitana”, explica o arquiteto.
Então, o primeiro passo para isso foi a criação do Salvador Card, já implantado. O estágio seguinte, que já começou, é a integração aberta, na formatação de uma rede entre as 400 linhas de ônibus da cidade. Assim, o usuário pode passar de uma linha a outra pagando uma passagem inteira no primeiro trajeto e meia passagem no segundo. Assim, os ônibus foram divididos por áreas com placas de cores diferentes: vermelha, verde, azul e amarela. A integração é feita passando de uma área para outra. Cor igual não vale. Então, você hoje salta em qualquer ponto da cidade e pega outro ônibus de cor diferente pagando apenas metade da tarifa, desde que não passe de uma hora. Tudo isso eletronicamente e em qualquer ponto da cidade.
A fase III foi outro avanço, com a criação do sistema conhecido como amarelinho, que trabalha nos bairros. O usuário pega um amarelinho com o cartão e paga metade da tarifa. Se for estudante, paga a metade da metade, ou seja, 25%. Então, pegando o amarelinho dentro do bairro paga-se a metade. E se depois, no trajeto, a pessoa pegar outro ônibus para chegar ao seu destino, também só paga a metade. Ou seja, o passageiro sai do bairro e pega dois ônibus para chegar ao seu destino e só paga uma tarifa.No caso de estudante, ele vai pegar dois ônibus e só vai pagar meia tarifa. “Isso já tem dado uma flexibilidade maior ao sistema! É uma realidade, já está implantada para os que têm o Salvador Card. Mas, para o cidadão entender essa integração aberta, que envolve uma rede de linhas e que com o cartão ele pode fazer o transbordo em qualquer ponto da cidade, leva tempo. Porque isso implica numa mudança de cultura, até que todos os usuários passem a ter o cartão e a usar o sistema da maneira correta. Isso leva tempo”, pondera o técnico.

Escolha do BRT
Todas essas etapas vêm preparando o caminho para a chegada do sistema BRT, dentro de um plano de trabalho que envolve Prefeitura e Setps. E, mais recentemente, em função da Copa 2014, o Governo do Estado. Foram feitas pesquisas de velocidade média dos coletivos na cidade e constatou-se valores de até 9 km/hora, na Silveira Martins, e 10 km/h na Paralela no horário de pico. Há locais com velocidades baixíssimas, praticamente com os ônibus parados. Daí a necessidade de casar essa integração eletrônica com a solução e melhoria física de pontos críticos do trânsito na cidade. Esses estudos foram apontando para um sistema que resolvesse esses problemas.
“Concluímos que a solução é criar uma via exclusiva e segregada para os ônibus em determinados trajetos e fazer intervenções para eliminar os principais pontos de estrangulamento. Os objetivos são esses: priorizar um transporte de massa eficiente e desafogar os pontos críticos”, esclareceu Ulisses.
Em função desses encaminhamentos, no final de 2007, a equipe técnica da Prefeitura fez uma viagem a Bogotá, capital da Colômbia, onde foi implantado o Transmilênio (o BRT de lá) com ótimos resultados. Os técnicos andaram pela cidade, experimentaram, pesquisaram tudo do modelo, da operação e gerenciamento do Transmilênio. E, a partir dessa vivência, debruçaram-se na construção do projeto BRT Salvador, um sistema de transporte de massa rápido, moderno, de qualidade e com alta capacidade. Aí, já com a participação e parceria de técnicos do Setps. Nessa época, sequer se falava em Copa 2014 no Brasil.
“O primeiro passo foi definir quais os corredores que iríamos trabalhar para implantar o sistema. Vimos que o melhor sistema para a cidade era mesmo o BRT, e partimos para definir os principais corredores e fazer o projeto funcional. Foi por isso que, quando ficou decidido que Salvador seria uma das sedes da Copa, já estávamos com o projeto pronto. Mostrado, encantou a FIFA, que aprovou dizendo: o projeto é este”, relata Ulisses.
O projeto da Copa Foram selecionados 127 km de corredores principais para o BRT Salvador, que foram classificadosem três tipos, uma vez que a cidade é muito diversificada. O tipo 1 é totalmente exclusivo para os ônibus BRT, com 36 km. O 2 é misto, BRT e convencional. E o tipo 3 é totalmente aberto, misturado ao trânsito geral. Nos corredores tipo 1 vão rodar os ônibus BRT – especiais, climatizados, modernos, com estações próprias, piso elevado, pagamento de passagem antecipado. Esses corredores fazem um X e abrangem do Aeroporto ao Iguatemi e a Lapa, passando pela Av. ACM, Av. Juracy Magalhães. Outro pega a Calçada, San Martin, Retiro, Acesso Norte, ACM, Pituba e Itaigara. Esses corredores se integram ao metrô no Acesso Norte e no Retiro e aos trens suburbanos na Calçada.
Mas, segundo Francisco Ulisses, o que está até então aprovado e com financiamento já contratado é o corredor que vai do Aeroporto ao Acesso Norte/Estação Metrô, previsto para ficar pronto até o final de 2012, apto a entrar em operação para a Copa das Confederações que acontecerá em 2013.

Fonte: A Tarde
READ MORE - Salvador: Os caminhos do BRT

Curitiba: Ônibus da Linha Verde aumentam quilometragem com biocombustível


A Urbs - Urbanização de Curitiba S/A ampliou o uso do biocombustível na Linha Verde. Os seis ônibus articulados da Linha Verde que usam 100% de combustível a base de soja (B-100) estão rodando cerca de 60 mil quilômetros por mês. O aumento de 233% na quilometragem rodada pelos ônibus faz parte da nova fase dos testes com biocombustível, coordenados pela Urbs.
Em quase um ano de testes - os ônibus com 100% de biocombustível começaram a rodar em agosto passado na Linha Verde-, cada um dos seis ônibus rodavam cerca de 2.500 quilômetros por mês. Em julho de 2010, a quilometragem passou para 10 mil quilômetros. Dos 12 ônibus que percorrem a linha verde, seis são movidos biocombustível à base de soja.
O aumento da quilometragem foi autorizado pela Agência Nacional do Petróleo, e é necessário para validar testes de combustíveis alternativos. A Agência também autorizou a URBs a aumentar a quantidade de biocombustível para os testes. Agora, cada empresa parceira do programa - Redentor e Sorriso - tem direito a 50 mil litros de biocombustível por mês para usar nos ônibus. Antes, a autorização da Agência era de 10 mil litros por empresa.
"Estamos seguindo todos os critérios técnicos e legais que validam o uso do biocombustível", explica o diretor de Transportes da Urbs, Fernando Ghinone. Curitiba é pioneira no Brasil no uso de 100% de biocombustível em ônibus de transporte público.
A nova quilometragem representa 50% dos descolamentos dos ônibus articulados da Linha Verde. Ou seja, metade das viagens do transporte público por meio do novo eixo da cidade é feita com biocombustível, poluindo menos o ar.
Balanço feito nesse primeiro ano de testes demonstra que o uso do biocombustível é responsável pela redução de até 25% de opacidade (fumaça), e também de até 30% de monóxido de carbono, um dos gases que contribui para o aquecimento global. Mensalmente, o Instituto Tecnológico do Estado do Paraná - Tecpar -, um dos parceiros da Urbs, faz medições nos escapamentos dos ônibus para as avaliações.
O programa de biocombustível é desenvolvido conjuntamente pela Urbs; Secretaria Municipal do Meio Ambiente; Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar); Volvo do Brasil e Scania Latin América; Viação Cidade Sorriso e Auto Viação Redentor; Programa Brasileiro de Desenvolvimento Tecnológico de Combustíveis Alternativos (Probiodiesel); Bs Bios - Indústria e Comércio de Biodiesel Sul Brasil S/A e RDP.

Fonte: Prefeitura Municipal de Curitiba
READ MORE - Curitiba: Ônibus da Linha Verde aumentam quilometragem com biocombustível

Modelo curitibano de ônibus rápido poderia solucionar problemas do transporte urbano


Nem Metrô de superfície nem em túneis subterrâneos. Corredores de ônibus com estações que cobrem passagem antes do embarque e alta freqüência de veículos seriam a alternativa mais viável para os turistas que visitarem as cidades-sedes do país na Copa do Mundo de 2014.
Dois dos maiores especialistas em mobilidade urbana defenderam em evento em São Paulo o chamado modelo curitibano, adotado também em Bogotá, México e na China como solução viária de transporte público.
"Eu defendo o Bus Rapid Transit (BRT) porque é o que pode acontecer mais rapidamente, com mais baixo custo e excelente qualidade", diz o arquiteto e ex-governador Paraná, Jaime Lerner. Segundo ele, os corredores de ônibus foram mal aplicados em São Paulo e Porto Alegre, pois a passagem ainda é cobrada no interior dos veículos e não nas estações.
Ele afirma que os corredores da capital paranaense são capazes de transportar até 2,3 milhões de pessoas por dia, mais que o sistema de metrô e trem de subúrbio do Rio de Janeiro. "Com um projeto bem feito, é possível colocar veículos que circulem a intervalos de até 30 segundos", diz Lerner.
Ele afirma que, em alguns casos, pode se avançar com linhas de metrô, mas diz que o BRT é indispensável. "Você sempre vai precisar de um BRT de qualquer maneira", diz.
Segundo o engenheiro Wagner Colombini Martins, responsável por um programa de implantação do sistema BRT na África do Sul em 2010, a cobrança da passagem antes do embarque é fundamental para a melhor mobilidade dos ônibus. "A passagem cobrada na catraca dentro do ônibus acaba formando filas, gerando congestionamentos e poluição atmosférica", diz.
Para ele, que diz ter encontrado dificuldades em relação aos detentores das linhas de ônibus na África do Sul, o maior entrave para implantar o sistema no Brasil é a desapropriação dos espaços. "Precisamos resolver o transporte de superfície com o mínimo de desapropriações possível", defende.

Fonte: Terra
READ MORE - Modelo curitibano de ônibus rápido poderia solucionar problemas do transporte urbano

Mauá planeja criação de três novas marginais


A Prefeitura de Mauá pretende construir pelo menos três vias marginais que cortarão a cidade de ponta a ponta para resolver o problema do trânsito.
Com frota atual de 150 mil veículos, segundo o Departamento Nacional de Trânsito, os congestionamentos têm sido um dos pontos mais criticados da atual gestão.
Com percurso total de oito quilômetros de extensão, as marginais têm orçamento estimado em R$ 25 milhões.
Para conseguir o recurso, o município busca financiamento do PAC 2 (Programa de Aceleração do Crescimento), do governo federal. A intenção é começar a construir nos próximos dois anos.
"Mauá, em termos de mobilidade, não comportará mais carros sem essas marginais. Estaremos em todas as frentes possíveis para concretizar isso. Seja com emendas parlamentares, com recursos do tesouro do município ou do governo federal, como o PAC 2", afirma o secretário de Mobilidade Urbana, Renato Moreira.EM
A primeira via pretendida pela administração vai sair das proximidades do Viaduto Presidente Juscelino, na alça de acesso para o Jardim Oratório e Avenida Ayrton Senna, margeando o Rio Tamanduateí. Seguirá no sentido Cerqueira Leite, pela Rua Washington Luis.
Outro trecho de marginal começará na Washington Luis. seguindo no sentido Jardim Zaíra, margeando o Rio Corumbê.
A outra marginal (também do Tamanduateí) seguirá no sentido Itapeva, paralela a Avenida Barão de Mauá.
Esse pacote s não é uma ação isolada. "Essas obras vão solucionar o trânsito para os próximos 20, 25 anos. Mas também é preciso realizar ações pensando no transporte público, como remodelagem de corredores exclusivos para ônibus", completa o secretário de Mobilidade.
Quarta - Outra marginal, a quarta, ainda estaria prevista, segundo ele, ligando a Avenida Capitão João com Rua José Ricardo Nalle. "Seria uma opção para quem vem de Ribeirão Pires e quer acessar o Rodoanel sem passar pela área central de Mauá", explicou Moreira.
Marginais estão fora do pacote que compensa RodoanelA chegada do Trecho Sul do Rodoanel Mário Covas deve contribuir com o aumento de veículos circulando em Mauá. Iniciadas em 2007, as obras de extensão da Jacu-Pêssego até a Avenida Papa João XXIII afetaram 20% do sistema de transporte público.
"Remanejamos ônibus extras para atender essa área com maior congestionamento o que acaba afetando as demais que ficam sem carros", explicou Renato Moreira. Ele lembrou que desde as duas primeiras gestões de Oswaldo Dias (1997 a 2004) já se planejava as marginais.
"Agora por que será que essas marginais não entraram antes nas obras de compensação do Rodoanel?", questionou Renato Moreira, referindo-se à negociação feita entre a gestão anterior e a Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S.A). Procurada, a Dersa não comentou.
O ex-prefeito Leonel Damo (sem partido) afirmou que iniciou obras das vias em sua gestão e que negociou compensação viária com o Estado no valor de R$ 157,8 milhões. "Da marginal da Vila Magini fizemos o trecho entre a Guarda Municipal e a entrada da Vila Magini, mas tivemos de parar por causa da construção de uma escola no traçado. A do Zaíra é a própria Washington Luís", declarou Damo.

Fonte: Diário do Grande ABC
READ MORE - Mauá planeja criação de três novas marginais

Ônibus que circulam pelo Sul da Ilha de Santa Catarina têm novos horários


Linhas de ônibus que circulam pelo Sul da Ilha de Santa Catarina terão novos horários a partir desta segunda-feira. As linhas Executivo Campeche e Executivo Pântano do Sul passarão a ter mais horários.

Já os ônibus que fazem as rotas Tapera-Rio Tavares, Costa de Dentro, Rio Tavares Direto e Pântano do Sul terão alguns horários alterados. Os moradores do Sul da Ilha também contarão com uma nova linha da empresa Insular, a partir de 2 de agosto: o Executivo Ribeirão da Ilha, que, a princípio, funcionará em caráter experimental.

Confira o quadro completo de horários no site da prefeitura.

Fonte: Diário Catarinense
READ MORE - Ônibus que circulam pelo Sul da Ilha de Santa Catarina têm novos horários

DF: Haverá estudo detalhado para processo licitatório de novas linhas do sistema de transporte


O governador do Distrito Federal, Rogério Rosso, assinou, nesta manhã de segunda-feira (26/7), uma determinação para que o Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans) faça um estudo detalhado das frotas do sistema de transporte público. A análise, que segundo Rosso pode demorar a ficar pronta, servirá de subsídio para um processo licitatório de novas linhas.

As operadores do sistema de transporte entregaram uma planilha ao governador, onde alegavam estar trabalhando com um déficit de 28,11%. No entanto, segundo a planilha do DFTrans e da Corregedoria do DF, o sistema estaria equilibrado, por esse motivo, não haveria necessidade de reajuste. "Se houver intransigência dos empresários para forçar o reajuste das passagens, haverá medidas", garante Rosso.

O sindicato patronal não ter dinheiro para pagar os rodoviários no dia 5 de agosto. Rogério Rosso disse que os empresários ganharam muito com a retirada das vans das ruas e com o Passe Livre, já que o governo arcava com todo o custo. Porém, não detalhou este valor a que se referiu.

Rosso anunciou que um novo processo de licitação será feito, ainda este ano, para operar o sistema de bilhetagem eletrônico que é gerenciado, atualmente, pela Fácil Transporte Integrado.

Ele disse, também, que até o dia 30 de julho irá decidir se veta ou sanciona o projeto substituto do Passe Livre aprovado pela Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF).

A proposta determina a recarga automática dos cartões, retira o limitador social e prevê que o governo arque, apenas, com um terço do valor das passagens dos estudantes.

Fonte: Correio Braziliense
READ MORE - DF: Haverá estudo detalhado para processo licitatório de novas linhas do sistema de transporte

Visate deve ter ônibus menores e sem a presença de cobradores para diminuir custos


A reunião-almoço da Câmara de Indústria e Comércio de Caxias do Sul (CIC) teve como palestrante nesta segunda-feira o diretor-presidente da Viação Santa Tereza (Visate), Fernando Ribeiro.
Entre garfadas e o pronunciamento do diretor da CIC, Milton Corlatti, o diretor tomou a palavra para falar dos números da Visate e, principalmente, da importância e responsabilidade do sistema de transporte urbano da cidade.
Mobilidade urbana é essencial, assim como investimento profundo no transporte coletivo.
“Não é para colocar lenha no nosso negócio”, brinca Ribeiro.
Segundo ele, o poder público tem o dever e a obrigação de desenvolver planos de mobilidade. “A bola está com a Câmara de Vereadores e com a Secretaria de Transporte, cujo papel é encaminhar soluções. Transporte coletivo é solução para problemas de mobilidade.”
Um deles, já posto em prática, é a descentralização dos terminais. Ribeiro afirma que com essa alteração, 50 mil pessoas tiveram suas rotinas alteradas.
“Foi uma mexida significativa. Mudança traz desconforto.”
Mas, segundo ele, “ônibus passando na frente da loja atrapalha, mas se não passa atrapalha muito mais. Parada de ônibus traz desenvolvimento”.
Além disso, algumas novidades foram divulgadas, como a recarga dos cartões dos estudantes diretamente no ônibus, como atualmente é feita com o vale-transporte oferecido pelas empresas. O recadastramento do estudante, futuramente, será realizado de maneira que não se faça necessário o deslocamento periódico de hoje em dia, até o ponto de venda da Visate.
Outra novidade seria a inclusão de 10 ônibus menores e modernos, com menos lugares, já em processo de finalização na Marcopolo. Isso para substituir ônibus grandes que normalmente trafegam com um número pequeno de passageiros. Neles, o papel do cobrador não existirá. O que causará redução significativa de custo.
“Os funcionários não utilizados serão reaproveitados em outros setores e funções. Alguns podem ser encaminhados para nossa escola de motoristas. Quem não quiser, irá para outro setor. Não haverá demissão”, diz Ribeiro.

Fonte: O Caxiense
READ MORE - Visate deve ter ônibus menores e sem a presença de cobradores para diminuir custos

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960