Transporte público ineficiente leva brasiliense a optar pelo carro próprio

quinta-feira, 22 de abril de 2010


A capital federal chega aos 50 anos com uma das maiores frotas de veículos do país em relação ao número de habitantes. Do total de 1,16 milhão de veículos registrados até março deste ano, 76,7% são de automóveis, 10,7% de motocicletas e 0,7% de ônibus, conforme dados do Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF).

O número de carros nas ruas da capital dobrou nos últimos anos, e a estimativa é que um novo aumento ocorra em menos de uma década. A renda alta e estável do brasiliense e as políticas governamentais de incentivo à compra de automóvel (linhas de financiamento e redução de impostos) ajudaram o brasiliense a ter carro próprio.

O coordenador de pesquisa do Centro Interdisciplinar de Recursos em Transporte da Universidade de Brasília (UnB), Joaquim Aragão, aponta outro fator que motivou o brasiliense, mesmo de baixa renda, a buscar o carro próprio para se deslocar na cidade: a falta de políticas públicas que propiciem um transporte coletivo eficiente.

Aragão descreve o sistema de transportes coletivos da capital, que usa principalmente ônibus, como “nulo”. Segundo ele, os 30 milhões de pessoas que dependem do transporte coletivo todos os dias enfrentam longa espera nas paradas, veículos antigos, muitos deles irregulares, além do descumprimento dos horários e dos itinerários pelas empresas.“O usuário não tem controle de quanto tempo vai esperar no ponto. Para você conseguir chegar hoje no emprego, precisa de carro”, afirmou o professor.

Levantamento do DFTrans – Transporte Urbano do Distrito Federal, autarquia responsável pela fiscalização das operadoras de ônibus, mostra que o descumprimento dos horários e das rotas está entre as principais irregularidades cometidas pelas empresas. Até meados de março deste ano, foram aplicadas 710 multas. Em 2009, foram 5.566.

Desde 2002, as notificações somam R$ 19 milhões.“Não está na pauta de nenhum governo enquadrar as operadoras. A programação é improvisada. É um transporte improvisado”, acrescenta Aragão. Ainda segundo o DFTrans, dos 2.817 ônibus que circulam na cidade, 1.950 têm até dois anos de uso.

O representante da Associação Nacional de Transporte Público (ANTP), Nazareno Affonso, afirma que, para melhorar o transporte coletivo na capital, é preciso ir além da implantação de faixas exclusivas para esses veículos. É necessário também desconcentrar a quantidade de empregos na área central de Brasília, o Plano Piloto.

De acordo com Affonso, a concentração dos postos de trabalho é um dos fatores da tarifa alta na capital. Isso porque a maioria dos trabalhadores vive fora do centro, nas chamadas cidades-satélites, e para chegar ao emprego a viagem se torna longa, em alguns casos, de até 60 quilômetros.

A tarifa na capital varia de R$ 1,50 a R$ 3,00 para os ônibus urbanos. Uma das apostas do governo distrital para melhorar o transporte coletivo é o Projeto Brasília Integrada, que prevê a ligação das linhas de ônibus com o metrô, com tarifa única. O projeto tem apoio financeiro do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Fonte: Jornal da Mídia

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960