Em Joinville, Corredor de ônibus volta a ser discutido e encontra resistência de comerciantes

domingo, 31 de janeiro de 2010


Mesmo sem prazo para sair do papel, a continuação do corredor da rua 9 de Março motiva discussões, especialmente de comerciantes do Centro de Jonville. Nesta sexta, dezenas deles devem se reunir no Hotel Colon para conversar sobre o assunto.

— Vão reduzir bastante as calçadas. Vai atrapalhar a circulação de pessoas. Já tem pouco espaço, vai piorar — diz Mario Ângelo de Oliveira. Chaveiro, ele é um dos síndicos de uma galeria com 35 lojas. Não tem muita conversa. Quem tem comércio na rua, ou nas redondezas, é contra o corredor.

Situação parecida com o que ocorreu nas ruas João Colin e Blumenau, no final de 2008. Na época, lojistas chegaram a entrar na Justiça contra a medida e perderam em todas as instâncias. Para Gerson Strossi, dono de uma ótica, a situação é um pouco diferente.

— A João Colin e a Blumenau são vias rápidas. Como vão colocar ônibus nos dois sentidos? Em três pistas? Nos horários de pico os carros ficarão escondidos. Fora a dificuldade de atravessar. Ele pede um amplo debate antes da implantação.

— Houve duas, três reuniões com a CDL. Acho que mais gente precisa participar, diz. Já se fala em redução de 20% dos empregos, algo em torno de cem dos 500 empregos.

O Ippuj diz que o projeto não está totalmente fechado. Mas está quase pronto. A proposta é concentrar a saída e entrada dos ônibus do terminal do Centro pela rua 9 de Março. Isso deve melhorar o fluxo em ruas como a Princesa Izabel e do Príncipe. Tudo irá para a João Colin ou JK. O Ippuj não acredita em insegurança nem em perda significativa de calçada. Nos dois lados da rua, as calçadas terão, pelo menos, 2,5 metros de largura.

Fonte: A Notícia

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960