Grande Recife divulga balanço da entrega do VEM Estudante

sábado, 25 de abril de 2009


Após o encerramento do processo de entrega do Vale Eletrônico Metropolitano VEM Estudante para os usuários retardatários, que ocorreu 13 à 17 de abril, no Clube Internacional do Recife,o Grande Recife Consórcio de Transporte computou que dos 61 mil cartões que estavam disponíveis para o resgate dos alunos, apenas cerca de 30 mil usuários foral ao local buscar o VEM. Apesar de todos os esforços, disponibilizando uma estrutura com 30 guichês e 140 pessoas no Clube Internacional para atender aos retardatários, cerca de 31 mil estudantes não foram ao local buscar o cartão. Lembrando que a entrega dos bilhetes no Clube Internacional foi uma segunda fase do processo, já que os cartões começaram a ser entregues no início do mês de março, no período de 4 a 26 no Geraldão. Os cartões que não foram pegos estarão disponíveis, a partir desta quarta-feira (22/04), no posto do Passe Fácil da rua do Hospício, no bairro da Boa Vista. O horário de funcionamento do posto é de 7h30 às 19h. Já o grupo de usuários que foi prejudicado em função dos erros do cadastro repassado pelo Setrans ao Grande Recife – e que em função disto não tiveram seus cartões confeccionados, apesar de terem feito o recadastramento do Passe Fácil – receberão o VEM em suas residências. Vale salientar que este atendimento é exclusivo para os usuários que cumpriram todas as exigências no recadastramento. AMPLIAÇÃO - A venda de créditos do Passe Fácil continuará sendo feita até o dia 30 de abril. A utilização dos créditos também foi ampliada, passado de 30 de abril para 30 de maio. Para receber o VEM Estudante, no posto do Passe Fácil da rua do Hospício, o usuário precisa apresentar, se for o titular do cartão, carteira de estudante e o Passe Fácil. Caso o estudante não possa comparecer, o cartão poderá ser entregue aos pais ou responsáveis desde que sejam apresentados identidade do responsável e certidão de nascimento do titular.
READ MORE - Grande Recife divulga balanço da entrega do VEM Estudante

Estudantes fazem manifestação na Capital por melhorias no transporte coletivo


Eles reivindicam fim do monopólio do transporte coletivo, mais qualidade dos serviços prestados aos usuários, e protestam contra aumento da tarifa.


Estudantes universitários e secundaristas de escolas públicas realizam grande manifestação na manhã desta quinta-feira (23), seguindo em passeata por principais avenidas de Porto Velho. Eles reivindicam fim do monopólio do transporte coletivo, mais qualidade dos serviços prestados aos usuários, e protestam contra aumento da tarifa.Segundo o acadêmico de Matemática da Unir, Cleidson Moura, que integra o Comando Estudantil de Luta (CEL), a passeata é pacífica segue pelas avenidas Farquar, Sete de Setembro, Carlos Gomes, e, encerra em frente à Prefeitura, onde será protocolizado a Pauta de Reivindicações, contendo 14 pontos reivindicativos. "Protestamos contra esse monopólio existente na nossa cidade, que compromete a qualidade dos serviços, por falta de uma concorrência justa.
Quem perde com isso são os usuários que ficam à mercê de serviços sem qualidade", declarou Cledson. Por volta das 9 horas da manhã os estudantes já começavam a se ajuntar na Praça das Caixas D'água. De acordo com a liderança do movimento, a mobilização foi feita na universidade federal, nas faculdades particulares, e em escolas públicas e particulares.
Muitos participantes chegaram tendo em punho fachas e cartazes com protestos contra sistema de transporte coletivo na cidade. "Passe livre já! 2,30 não!", é a frase escrita em um dos cartazes exibidos por estudantes secundaristas.
READ MORE - Estudantes fazem manifestação na Capital por melhorias no transporte coletivo

Porto Alegre: Pedido o fim do passe livre


Às vésperas de completar 18 anos, o dia de passe livre no transporte público da Capital é alvo de um pedido de extinção ou reformulação.

A proposta é do Conselho Municipal de Transportes Urbanos (Comtu), que enviou à Câmara de Vereadores um ofício com a avaliação de representantes do setor sobre problemas como violência e superlotação nos dias de isenção da passagem. Segundo o presidente do Comtu, Jaires Maciel, a solicitação foi votada por unanimidade pelos conselheiros no final de 2008.– O dia de passe livre já não atende mais às necessidades dos usuários. Fugiu do propósito, de passeio das famílias, para ser um dia em que ocorre violência e arrastões – diz Maciel. O Comando de Policiamento da Capital (CPC) da Brigada Militar não tem números que comprovem o aumento da violência. O presidente da Associação das Empresas de Transportadores de Passageiros de Porto Alegre (ATP), Enio Roberto dos Reis, no entanto, diz que funcionários costumam pedir para não trabalhar nesse dias devido à insegurança. A população que precisa usar os ônibus nessas datas também reclama da superlotação e da frota reduzida, conforme o Comtu.– Existe uma relação muito irregular nas tabelas de horários porque a movimentação do povo não é prevista. Não tem como prever o horário de movimento. Às vezes, a sociedade reclama que está faltando ônibus, mas não tem como organizar o serviço sem saber em que ordem ocorre a movimentação – argumenta o presidente da ATP.

A Câmara ainda desconhece o pedido de reavaliação do passe livre, mas o presidente da Casa, Sebastião Melo, concorda com a discussão do assunto.– Se fosse para o lazer, tudo bem, mas, infelizmente, não tem sido isso. A vereadora Maria Celeste, líder da oposição e da bancada do PT na Câmara, acredita que a isenção deve ser discutida, mas não extinta.– É a oportunidade das pessoas, especialmente no domingo, congregarem com suas famílias e ocuparem a cidade como um todo. As empresas tem de colocar mais ônibus para circular. Esse é o grande problema.
READ MORE - Porto Alegre: Pedido o fim do passe livre

Polícia Militar monta estratégia para coibir assaltos a ônibus


O presidente do Sindicato dos Rodoviários, José Rodrigues, sugeriu quatro estratégicas que foram confirmadas pelo coronel Ivaldo Barbosa. "Fizemos um levantamento das áreas mais críticas, onde há um grande número de assaltos a ônibus na capital. Diante disso, sugerimos Blitzen constantes nestes locais, presença constante de policiais nestas áreas, mais viaturas circulando na cidade e a presença de policiais do serviço de inteligência da Polícia Militar dentro dos ônibus coletivos", afirmou.
No início da reunião, o coronel Ivaldo Barbosa, que estava em companhia do comandante do Policiamento Metropolitano, tenente coronel Flávio de Jesus, anunciou o retorno da "Operação Catraca". "Vamos levar novamente o serviço de Inteligência da Polícia Militar para dentro dos coletivos, para que eles possam atuar na raiz do problema, como também o policiamento diário do Batalhão de Missões Especiais (BME). Iremos também procurar definir esses pontos de risco para demarcar nossas ações", confirmou antes de iniciar a reunião com os representantes de cada categoria.
Para o presidente do SET, José Luís Medeiros, não havia necessidades de paralisação dos coletivos. "Nós entendemos que não é com paralisação que vamos resolver a questão da segurança no transporte coletivo de São Luís. O novo secretário (Raimundo Cutrim) já assumiu e temos certeza que irá resolver o problema. Se todo motorista que for assassinado houver uma paralisação, a cidade vai parar. Entendemos suas reivindicações, mas o melhor meio é procurarmos, juntos, as soluções.", disse.
O secretário municipal de Transito e Transporte, José Ribamar Barbosa Oliveira Filho, que também esteve presente na reunião no CPM, informou que por se tratar de transporte coletivo, "o município vem compor essa discussão, como parte interessada, por conta do transporte coletivo da capital, que é de competência da Prefeitura de São Luís. Sabemos que a segurança é de competência estadual, mas estamos aqui para contribuir e sempre defender os interesses da população, garantindo um serviço público de qualidade", disse.
READ MORE - Polícia Militar monta estratégia para coibir assaltos a ônibus

Sobe para 68 número de ônibus apreendidos em rodoviárias do Rio


Sobe para 68 o número de ônibus apreendidos durante operação realizada nesta quarta-feira (22) pelo Departamento de Transportes Rodoviários (Detro) nos terminais rodoviários da Região Metropolitana e no interior do estado. A operação, que começou nesta manhã, já terminou. A operação contou com 120 fiscais atuando em 19 terminais rodoviários. A ação, chamada de “Legal tem que ser legal”, tinha como objetivo combater as irregularidades praticadas no transporte intermunicipal de passageiros por ônibus.

A operação foi motivada pelas reclamações recebidas na Ouvidoria do Detro. De acordo com informações da assessoria do órgão, este ano o Departamento recebeu 1.240 denúncias referentes aos serviços prestados pelas empresas de ônibus. A principal irregularidade encontrada hoje foi a má conservação dos veículos. Também foram flagrados veículos com documentação irregular, falta de selo de vistoria, ausência de cobrador, retirada do banco do cobrador descaracterizando a carroceria e descumprimento do quadro de horários.
READ MORE - Sobe para 68 número de ônibus apreendidos em rodoviárias do Rio

Campo Grande lança hoje câmeras para vigilância nos ônibus


No ano passado, o mecânico Mayver Moura de 18 anos estava no ponto de ônibus da linha Jardim Centenário/Aero Rancho, quando passou de futura vítima a testemunha ocular de um crime dentro do ônibus. “Quando estava no ponto, eu vi três caras suspeitos e um deles estava armado com uma faca, eles entraram no primeiro ônibus e eu despistei e entrei no segundo, já na primeira parada eu vi o assalto dentro do ônibus da frente”, conta o mecânico aliviado e também indignado com a facilidade com que o crime foi cometido. O relato do mecânico faz parte do cenário de mais de 570 assaltos ocorridos dentro de ônibus na Capital.

Os dados são referentes ao ano passado divulgados pela Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran) por meio da Associação das Empresas do Transporte Coletivo Urbano de Campo Grande (Assetur). Para conter essa onda de violência no transporte coletivo, a Prefeitura de Campo Grande inicia esta semana a implantação do sistema de monitoramento interno nos ônibus urbanos.

O prefeito Nelson Trad Filho lança a medida na manhã desta quinta-feira (23/04), às 08:00 horas, na Praça Ary Coelho.Segundo o diretor presidente da Agetran, Rudel Espíndola Trindade Junior, inicialmente serão implantadas 23 câmeras que funcionarão 24 horas, sendo que as imagens serão analisadas pela Assetur. “O principal objetivo é dar maior segurança aos usuários como também melhorar a qualidade do transporte público”, disse Rudel. Além disso, o sistema fiscalizará o trabalho dos motoristas e cobradores de ônibus, servindo de base em cursos para melhoria do serviço.

A meta é instalar câmeras de segurança em todos os ônibus da Capital. Atualmente, Campo Grande conta com uma frota de mais de 400 ônibus.Medida – O mecânico Mayver aprovou a medida da Prefeitura, mas fez um alerta. “O mundo anda tão perigoso que acho até que podem roubar as câmeras”, disse Mayver, que estava na manhã desta quarta-feira (22/04) em um dos pontos de ônibus na Praça Ary Coelho. No mesmo local, também aguardava a chegada do ônibus para o bairro Coronel Antonino, o aposentado Waltair Francisco Motta de 74 anos, que enfatizou que segurança nunca é demais. “Escuto muito no rádio sobre a onda de assaltos, mas graças a Deus nunca aconteceu comigo nem com nenhum conhecido”, disse o aposentado.

Grávida de seis meses, Kária Aparecida de Souza, de 20 anos, sempre utiliza a linha de ônibus do centro ao bairro Universitário, onde mora. Ela também aprova a medida da Prefeitura. “Acho muito bom para quem usa, pois vai identificar as pessoas que cometem crime. O que a gente vê na tv é terrível”, conta a manicure.
READ MORE - Campo Grande lança hoje câmeras para vigilância nos ônibus

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960